Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Brexit: Reino Unido está “iludido”, avisam líderes da UE

No final de uma cimeira informal da União Europeia, sexta-feira, em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu aconselhou o governo de Londres a ser mais razoável em vez de viver na “ilusão” de que pode escolher o que quiser na realação com o bloco após o Brexit.

Sem o Reino Unido na sala, os restantes 27 membros da União Europeia decidiram que dentro de um mês apresentarão o seu projeto sobre a relação que querem ter com aquele país após o Brexit.

“Londres não pode escolher só o que lhe apetece e não há mercado único a la carte”,
Donald Tusk Presidente do Conselho Europeu

No final de uma cimeira informal, sexta-feira, em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu aconselhou o governo de Londres a ser mais razoável.

“Obviamente fico satisfeito que o governo do Reino Unido esteja a avançar para uma posição mais detalhada. Contudo, se os relatos na imprensa estiverem corretos, temo que a posição do Reino Unido se baseie numa pura ilusão. Não pode escolher só o que lhe apetece e não há mercado único a la carte”, disse Donald Tusk, em conferência de imprensa.

Tusk vai reunir-se com a primeira-ministra britânica, Theresa May, na próxima quinta-feira, um dia antes de esta anunciar qual é o modelo de relação comercial que quer para as duas partes.

O governo de Londres diz que quer deixar o mercado único e a união aduaneira, acabar com a liberdade de circulação e a jurisdição do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Ao mesmo tempo, Theresa May quer negociar um acordo que reduza, tanto quanto possível, os direitos aduaneiros e os procedimentos administrativos.

O negociador principal do Brexit pela União Europeia, Michel Barnier, já alertou que os controles nas fronteiras seriam “inevitáveis” se o Reino Unido deixar o mercado único e a união aduaneira.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, deve dar as orientações das deliberações sobre as futuras relações, numa cimeira europeia de 22 e 23 de março, e as negociações começarão em abril.

Outras consequências do Brexit também estiveram em cima da mesa da cimeira informal, nomeadamente sobre como compensar os 10 mil milhões de euros anuais que o Reino Unido deixará de contribuir para o orçamento comunitário.

“Se não reduzimos as verbas que são utilizadas nas políticas de coesão e na agricultura, que são setores que representam 70% do orçamento europeu, vamos ter que reduzir as outras políticas em 45%”, avisou Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia.

Os países estão ainda muito divididos sobre se aumentarão as contribuições e admitem criar novos impostos europeus. Portugal admite aumentar a contribuição, mas está totalmente contra cortes naqueles dois fundos comunitários.

Já na área da reforma institucional, houve total consenso na recusa de que o próximo presidente da Comissão Europeia seja automaticamente escolhido com base em cabeças-de-lista de grupos políticos europeus para as eleições europeias de 2019, nas quais já não participará o Reino Unido.

A proposta é do Parlamento Europeu, que ameaça vetar qualquer candidato que não seja escolhido com base nesse sistema, experimentado em 2014 mas que não consta do Tratado de Lisboa. (Euronews)

por Agências • Reuters, AFP

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »