Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Abbas pede ajuda internacional para alcançar a paz no Médio Oriente

O presidente palestino, Mahmud Abbas, pediu nesta terça-feira (20) ao Conselho de Segurança da ONU a “criação de um mecanismo multilateral” para solucionar a questão palestiniana por meio de “uma conferência internacional” para o meio deste ano.

Em uma longa e incomum intervenção ante o Conselho de Segurança, Abbas apresentou o que chamou de um “plano de paz” para retomar as conversas com uma nova mediação internacional, na qual os Estados Unidos teriam um papel de menor protagonismo.

A decisão tomada no fim de 2017 pelo presidente americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel gerou preocupação global e enfureceu os palestinianos, que declararam que Washington não poderia desempenhar o papel de mediador principal no processo de paz do Oriente Médio.

“Para resolver a questão palestiniana, é essencial estabelecer um mecanismo internacional multilateral que seja decidido em uma conferência internacional”, afirmou Abbas.

“Nos ajudem!”, acrescentou, sendo aplaudido ao fim de seu discurso, após o qual deixou a sala sem ouvir a resposta do embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, que se queixou que o presidente palestiniano “fugia” do diálogo mais uma vez.

“Deixou claro, com as suas palavras e ações, que não faz parte da solução, mas do problema”, lançou Danon. “Quando nós estendemos a mão, Mahmud Abbas nos dá as costas”, continuou.

Em seu discurso, Abbas detalhou que a conferência proposta seria integrada por Israel e pelos palestinianos, por actores regionais, pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e pelo quarteto diplomático composto por União Europeia, Nações Unidas, Rússia e Estados Unidos.

O mecanismo deveria desembocar na integração da Palestina como Estado-membro da ONU, no reconhecimento mútuo com Israel e na criação de um novo mecanismo internacional para chegar a um acordo final, explicou.

Desde 2012, a Palestina é “um Estado observador não membro” da ONU, o que lhe permite integrar agências da organização e se somar ao Tribunal Penal Internacional, mas sem ser integrante pleno das Nações Unidas.

Das 193 nações-membros do organismo, 138 já reconhecem o Estado palestino. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »