Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Independentista catalã refugia-se na Suíça para escapar à Justiça

Uma dirigente independentista catalã, Anna Gabriel, do partido minoritário de extrema-esquerda CUP, anunciou hoje em Genebra que tem intenção de se instalar na Suíça, onde poderá pedir asilo político se a Espanha solicitar a sua extradição.

“Ainda não pedi asilo político. Se ficar aqui tentarei recomeçar a vida académica”, disse Gabriel numa entrevista à televisão pública suíça RTS, acrescentando que se houver um pedido de extradição irá solicitar o asilo político.

A deputada regional pertencente à CUP (Candidatura de Unidade Popular) é a sexta separatista catalã a abandonar Espanha, depois de Carles Puigdemont, presidente destituído da Catalunha, e quatro outros membros do seu executivo se terem instalado na Bélgica em outubro do ano passado na sequência da tentativa falhada de independência da região.

Puigdemont e restantes ministros regionais, acusados de delitos de rebelião, sedição e peculato, arriscam-se a ser presos no caso de decidirem regressar a Espanha.

Anna Gabriel devia comparecer esta quarta-feira perante um juiz do Supremo Tribunal, em Madrid, para explicar o papel que teve no processo que devia levar a Catalunha a tornar-se numa República independente de Espanha.

Na entrevista, a separatista acusa Madrid de “repressão” e compara a situação na Catalunha “ao que se passa neste momento na Turquia”.

Mais de 55.000 pessoas, entre as quais jornalistas, deputados e ativistas políticos, foram detidos nesse país depois de uma tentativa de golpe de Estado em 2016.

Quatro outros dirigentes independentistas, entre eles o ex-vice-presidente do Governo regional Oriol Junqueras, aguardam neste momento em prisão o resultado das investigações dos mesmos delitos.

O “processo” de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017 quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente através da dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e a convocação de eleições regionais que se realizaram a 21 de dezembro último. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »