Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Contratação de professores cabo-verdianos com discursos contraditórios em Angola

A ministra angolana da Educação negou que o seu Governo tenha pedido professores a Cabo Verde, ao contrário do que disse em Luanda e na Praia o chefe da diplomacia cabo-verdiana, Luís Filipe Tavares.

Aliás, o próprio ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, à margem da cimeira de chefes de Estado e de Governo em Addis-Abeba em Janeiro, tinha admitido a possibilidade do seu país recorrer a professores cabo-verdianos.

“Quem falou? Não existe nenhuma contratação, não há acordos firmados, não há protocolos, não há nada, não existe absolutamente nada. Não é verdade essa questão de contratação de professores cabo-verdianos. Enquanto titular e ministra da Educação, o que eu confirmo e afirmo é que não existe qualquer contratação, não existe qualquer acordo, não existem orientações superiores para que haja contratação de professores de Cabo Verde”, disse Cândida Teixeira a jornalistas na quinta-feira, 15, na capital angolana.

Questionada sobre o facto de os chefes da diplomacia dos dois países terem abordado a questão publicamente, Teixeira remeteu a questão para Manuel Augusto e Luís Filipe Tavares.

“Eles (Augusto e Tavares) é que disseram isso, mas nós não temos informações sobre essas contratações”, acrescentou a ministra.

A palavra da diplomacia

As declarações de Luís Filipe Tavares foram inicialmente feitas na semana passada, em Luanda.

De regresso a Cabo Verde, Tavares reafirmou em entrevista ao jornal Expresso das Ilhas que “o interesse foi manifestado pelo Governo angolano”.

Entretanto, o ministro angolano das Relações Exteriores foi o primeiro a tocar no assunto, quando, à margem da cimeira dos chefes de Estado e de Governo no fim de Janeiro em Addis-Abeba, admitiu recorrer a professores cabo-verdianos.

“Cabo Verde tem quatro mil professores e pode haver uma contratação”, disse o ministro angolano em declarações ao Jornal de Angola.

Sindicato reage

Na altura, a notícia não foi recebida muito bem pelo Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Angola.

Em declarações à VOA, o presidente daquele sindicato, Carlinhos Zassala, considerou “um absurdo” o recurso a professores estrangeiros para o ensino da língua portuguesa quando o país tem muitos profissionais que não podem ser contratados por alegada falta de recursos financeiros e outros que não são promovidos pelas mesmas razões. (Voa)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »