Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Brasil doa a Cabo Verde acervo do escritor Luís Romano

O Governo cabo-verdiano condecorou hoje a Marinha do Brasil com a medalha de Mérito Cultural pela contribuição no repatriamento a Cabo Verde do acervo do escritor Luís Romano, de mais de mil livros.

O acervo bibliográfico de Luís Romano tinha sido entregue pela filha à professora brasileira Simone Caputo Gomes, uma entusiasta e estudiosa da literatura cabo-verdiana, que agora o transmitiu à Biblioteca Nacional de Cabo Verde.

A cerimónia de doação aconteceu a bordo da fragata brasileira Independência, que se encontra atracada no Porto da Praia, após transportar o acervo, com mais de mil livros, objetos pessoais e condecorações, entre outros pertences.

A professora Simone Caputo Gomes lembrou o trabalho de diversas pessoas e instituições para retribuir o acervo ao povo cabo-verdiano, considerando que cumpriu uma “missão” e a vontade do escritor, que viveu desde os anos 1960 no Brasil, onde morreu em janeiro de 2010.

E uma dessas instituições é a Marinha do Brasil, que apoiou no transporte do acervo do escritor, através da Fragata Independência, que está a caminho do Líbano, para uma missão de paz das Nações Unidas.

A curadora da Biblioteca Nacional de Cabo Verde, Fátima Fernandes, considerou que a doação do acervo de Luís Romano é um “gesto de reconhecimento” e os frutos das relações entre o Brasil e Cabo Verde.

Já o embaixador do Brasil em Cabo Verde, José Carlos de Araújo Leitão, disse que se trata de um “momento histórico” e referiu que os livros serão distribuídos a instituições cabo-verdianas.

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, disse que o regresso da biblioteca de Luís Romano ao país é o cumprimento de uma missão e um “momento histórico” para a literatura, artes e cultura do arquipélago.

“Luís Romano é um corpo enorme estendido entre as ilhas de Cabo Verde e Brasil”, afirmou o ministro, que condecorou a Marinha Brasileira com o 2.º Grau de medalha de Mérito Cultural e Luís Romano, a título póstumo, com o 1.º Grau da medalha da ordem de Mérito Cultural.

“Esta é uma batalha muito bonita que a Fragata Independência faz em nome de Cabo Verde, sem o disparo de um tiro, sem qualquer manobra que ponha em causa outra coisa, senão a nossa sensibilidade e emoção”, referiu o governante.

Esperando que o ato sirva para se valorizar, estudar e conhecer mais os escritores cabo-verdianos, Abraão Vicente garantiu que o acervo de Luís Romano será cuidado da melhor forma e disponibilizado “o mais rapidamente possível” ao público cabo-verdiano.

“Muito mais do que um ato simbólico, este é um momento há muito esperado por muitos cabo-verdianos, os que conhecem e os que não conhecem, porque hão de conhecer a obra de Luís Romano”, perspetivou.

O ministro da Cultura garantiu que o Governo de Cabo Verde vai ver com os familiares a melhor forma de continuar a homenagear e a perpetuar a obra e a memória de Luís Romano, que nasceu em 1922, na Ponta do Sol, concelho da Ribeira Grande de Santo Antão.

Luís Romano de Madeira Melo foi um poeta e romancista cabo-verdiano, que viveu muitos anos no Brasil, tendo deixado uma vasta obra, da qual consta o romance “Famintos” (1962), seu livro mais conhecido e uma referência da literatura cabo-verdiana. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »