Huíla: Maior criador de peixe em viveiros enfrenta dificuldades na colheita da produção

Pelo menos 40 toneladas de cacusso encontram-se na impossibilidade de serem recolhidas por falta de financiamento para a aquisição de equipamento apropriado, anunciou domingo a empresa “AJYAMP-Lda.”, a maior criadora de viveiros de peixes na província da Huíla.

A fazenda com mais de cinco anos de existência, localiza-se na zona da Mankipa-Cangolo, na comuna da Huíla, município do Lubango, conta com 14 viveiros, dos quais 11 em betão, três escavados e uma represa para a criação e reprodução de peixe em massa, um projecto financiado pelo Angola Invest e que ainda não colheu beneficios.

Falando à Angop domingo, o gerente da empresa, José Pedro, afirmou que estão a atravessar os “piores” momentos do programa, com uma paralisação de quase três anos, porque aguardam que o banco financiador liberte o restante da verba para retomarem as actividades na sua plenitude.

Declarou que no momento estão com uma a falta de meios, nomeadamente equipamentos para o laboratório, para a pesca e ainda para o transporte adequado para levar o peixe do local de produção para a venda.

“Temos 40 mil peixes em cada viveiro, dos 11 funcionais, perfazendo 440 mil a serem disponíveis quando tiverem a respectiva engorda e crescimento, mas têm de ter a pesagem certa para retirá-los do tanque, que deve variar dos 380 a 400 quilogramas”, acrescentou.

José Pedro fez saber que escoa o seu produto normalmente para o mercado do município do Lubango e de Luanda, assim como têm contactos para vender nos próximos meses para a República Democrática do Congo.

Para além da pesca, a fazenda actua igualmente na área da agricultura e conta com perto de 20 funcionários para as duas actividades. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »