Cerca de mil árvores são derrubadas diariamente no Soyo

Cerca de mil árvores são derrubadas diariamente nas localidades de Lumueno e Kinguila, no município do Soyo, província do Zaire, por cidadãos da República Democrática do Congo (RDC), que vivem ilegalmente naquela parcela do território nacional, com auxílio de alguns cidadãos angolanos.

A informação foi dada sábado, na cidade do Soyo, por alguns cidadãos da RDC, no final de uma micro-operação conjunta desencadeava pelos efectivos da Polícia Nacional e das Forças Armadas Angolanas (FAA), que visou desmantelar a rede de indivíduos envolvidos no abate indiscriminado de árvores nessa localidade.

Em entrevista à Angop, confessaram ter usado equipamentos sofisticados como motosserras e outros meios capazes de derrubarem quantidades elevadas de árvores.

Para o cidadão congolês democrático, Lulemba Pedro, de 30 anos de idade, as árvores derrubadas serviam para o fabrico de carvão vegetal e peças artesanais.

“Pelo número de máquinas que utilizamos nas matas de Lumueno e Kinguila, por dia podemos derrubar cerca de mil árvores”, estimou.

Fez saber que, a sua actividade de derrube de árvores e fabrico de carvão vegetal conta com a colaboração das autoridades tradicionais dessas localidades, que beneficiam uma percentagem da exploração ilícita dos recursos florestais.

A cidadã Gibá Dorcace, também da RDC, confirma o seu envolvimento nessa actividade há dois anos, financiando grupos que produzem carvão vegetal que é comercializado na capital do país, Luanda.

“Para além de financiar um grupo de fabricadores de carvão, também vendo aqui nas matas bens alimentares como pão, bolinhos, açúcar, arroz, óleo alimentar, entre outros produtos da cesta básica”, confessou.

Por outro lado, o cidadão angolano Domingos Dombala, disse que veio da província de Benguela a procura de melhores condições de vida no município do Soyo e por falta de emprego resolveu enveredar pelo fabrico de carvão para sustentar a sua família.

Apesar de ter reconhecido ser uma actividade punível por lei, o interlocutor disse que têm pagado uma taxa às autoridades tradicionais locais para desenvolver o seu trabalho.

Trezentos e vinte cidadãos, entre nacionais e estrangeiros, foram detidos neste sábado pela Polícia Nacional por abate desenfreado de árvores nas matas das localidades de Lumueno e Kinguila, município do Soyo. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »