Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Palancas procuram passe para os quartos-de-final

Os Palancas Negras decidem, hoje, a passagem para os quartos-de-final do Campeonato Africano das Na­ções (CHAN’2018). A equipa precisa penas de um ponto para lograr este objectivo, e defronta o Congo Brazaville às 20h00 de Marrocos, no Grande Estádio de Adrar, Agadir.

Colocados na segunda posição classificativa, já sonham com a outra fase da prova e procuram não claudicar, sob pena de ver escapar algo já quase tangível. Não é sem razão que Srdjan Vaseljevic aconselha os jogadores a primar por muita inteligência e fazer um jogo táctico e de muita prudência.

O adversário, embora já qualificado, não vai desvalorizar o jogo, vai jogar para fazer valer a sua condição de líder do grupo, que ainda não viu a sua baliza violada. É certo, como temos vindo a fazer referência, que já não vai apertar a fundo, mas não será permissivo, sendo que a sua intenção é, certamente, terminar em primeiro lugar.

Angola tem, digamos as­sim, um jogo complicado. Por exemplo, das quatro posições classificativas está em condições de três. Tanto pode acabar em primeiro lugar, caso vença, em segundo na eventualidade de um empate e em terceiro(e fora da prova) se sair derrotado. Lá isto em caso de haver uma goleada dos Camarões no outro jogo. Pensamos, neste sentido, que a primeira condição pode espevitar o adversário.

Portanto, Angola entra numa luta pela qualificação, mas ao mesmo tempo para o primeiro lugar do grupo. Em resumo, a missão estaria mais facilitada caso tivesse apenas dois pontos. Por aí o Congo não teria nada a temer, sendo que mesmo saindo derrotado acabaria sempre em primeiro lugar do grupo. É esta particularidade que cria, da parte dos Palancas, alguma inquietação.

O Burkina Faso ainda não jogou a toalha ao tapete. De calculadora electrónica, ou de lápis de carvão e borracha na mão, faz contas de multiplicação, e o resultado lhe permite acreditar ainda na qualificação. Mas as suas hipóteses se revelam demasiado remotas, dai que Angola só não continuará em prova, caso venha a revelar a sua pior imaturidade.

O trabalho realizado nos últimos três dias visou, es­sencialmente, a recupera­ção técnica, táctica, física e psicológica dos atletas, para fazer face às implicâncias do jogo desta noite. Notamos que no seio do grupo há uma grande motivação, vontade de vencer e seguir em frente. Claro que uma coisa é querer, e outra fazer. Mas devemos depositar confiança na equipa.

E o que mais anima, é saber que nesta selecção a maioria ainda procura se afirmar. Isto tem ajudado bastante. Eles vêem neste campeonato uma oportunidade de mostrarem o seu real valor, e começar a ganhar nome no mercado. Logo, estão com níveis de entrega e voluntariedade que, na certa, não teria um jogador já consagrado.

Fazendo uma retrospectiva no plano competitivo (estamos a incluir os CAN), faz tempo que Angola não chegava à terceira jornada a depender apenas de si. A última vez foi no Gana\’2008, em que teve um percurso quase igual a este: empate(1-1) na primeira jornada com África do Sul, vitória(3-1) com Senegal na segunda e empate (0-0 ) com a Tunísia no fim. Portanto, esta oportunidade não é para desperdiçar.

Clinicamente, a equipa está apta. Kaporal, que andou condicionado, tem estado em recuperação, e pode ser que seja já uma opção no jogo de hoje. Apenas Almeida é tido como uma carta fora do baralho. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »