Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Meia centena de Presidentes no fórum de Davos

O Presidente da República, João Lourenço, chega hoje a Davos para junto dos seus pares e da elite da finança mundial falar sobre energia e mobilizar investimento para o país.

Mais de 100 estadistas e representantes das grandes multinacionais e de organizações financeiras internacionais são aguardados em Davos, Suíça, para o 48.º Fórum Económico Mundial, que decorre de 23 a 26 deste mês naquela região turística dos Alpes suíços.

Em declarações ontem à noite à imprensa angolana, em Zurique, o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, afirmou que a presença do Presidente da República em Davos, a primeira de um Chefe de Estado angolano desde a criação do Fórum, em 1971, é aguardada com grande expectativa.

Confirma isso, segundo Manuel Augusto, o grande número de pedidos de audiências solicitadas ao Chefe de Estado angolano.

Questionado sobre o início hoje, em Lisboa, do julgamento do processo que envolve o ex-Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, o ministro das Relações Exteriores afirmou que não estava ao corrente se o julgamento tem mesmo lugar hoje, mas se isso ocorrer é um assunto da competência das autoridades judiciais portuguesas, embora o Estado angolano mantenha a sua anterior posição, de ver transferido o processo para a justiça angolana.

Quanto a eventuais zonas cinzentas nas relações entre Angola e Portugal devido ao “caso Manuel Vicente”, o ministro das Relações Exteriores disse que as relações entre os dois países são insubstituíveis, atingiram tons e níveis de excelência, tanto é assim que amanhã, terça-feira, o Presidente da República, João Lourenço, vai ter um encontro com o Primeiro-Ministro português, António Costa, em Davos, à margem do Fórum Económico Mundial.

Quanto ao processo de redução de pessoal e de embaixadas de Angola, que vazou nas redes sociais, Manuel Augusto admitiu que de facto o estudo existe e o Ministério das Relações vai continuar a trabalhar para dignificar os quadros e as instituições diplomáticas do país.

Antes poucas missões diplomáticas com qualidade e dignidade do que ter muitas espalhadas pelo mundo sem dignidade, sublinhou Manuel Augusto, que em Zurique com o ministro dos Recursos Minerais e Petróleo, Diamantino de Azevedo, se juntam esta tarde à comitiva presidencial em Davos.

Agenda

De acordo com a Angop, o Chefe do Estado angolano é acompanhado pelo ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, e pelos ministros da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, e da Energia e Águas, João Baptista Borges.

Entre os vários actos previstos, o Presidente João Lourenço tem uma intervenção no painel consagrado ao desenvolvimento da energia no continente africano, subordinado ao tema “Acelerando o acesso à energia em África”. Este ano, o Fórum de Davos, fundado em 1972 pelo professor de economia suíço Klaus Schwab, junta mais de três mil delegados em representação de uma centena de países. O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, está desde a noite de sábado em Zurique, Suíça, sendo o primeiro membro da delegação angolana a chegar ao local do encontro, que se estende até sexta-feira.

A participação de Angola no certame tem como epicentro o painel dedicado ao tema “Acelerar o Acesso à Energia em África”, a decorrer a seguir à cerimónia oficial de abertura do Fórum, ao fim da manhã de terça-feira.

Também conhecido por Fórum de Davos, o Fórum Económico Mundial é uma organização sem fins lucrativos, criado em 1971, que promove encontros anuais entre líderes políticos, economistas, jornalistas e intelectuais de diversas partes do mundo. O seu fundador e presidente é o economista e empresário alemão Klaus Schwab.

O Fórum Económico Mundial é realizado, desde 1974, no final do mês de Janeiro de todos anos.

Líderes e dirigentes de organizações internacionais

O discurso de abertura do fórum, celebrado anualmente naquela estação de esqui de 12 mil habitantes, vai ser feito neste ano pelo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

Além do Presidente Donald Trump, que vai colocar à prova as suas teses proteccionistas frente a uma elite mundial que tende a defender a globalização, são esperadas participações de vários líderes de países do G7, como o presidente francês Emmanuel Macron, a primeira ministra britânica Theresa May e o primeiro-ministro do Canadá Justin Trudeau. Também está prevista a presença dos presidentes de Brasil (Michel Temer), Argentina (Mauricio Macri) e Colômbia (Juan Manuel Santos). Em Davos estará o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu e o rei da Espanha, Felipe VI.

A lista de líderes de organizações internacionais inclui o secretário-geral da ONU, António Guterres, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, o director-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, e o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra\’ad Al Hussein. Também se espera a participação de 1.900 altos directores do sector privado, assim como de celebridades do cinema e da música, como a actriz australiana Cate Blanchett e o cantor britânico Elton John.

Mais de 21 por cento dos participantes serão mulheres, um número recorde em relação a edições anteriores. Além disso, o fórum neste ano é co-presidido exclusivamente por mulheres, entre elas a primeira-ministra norueguesa Erna Solberg e Christine Lagarde, directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Durante meio século, foi aos pés da montanha mágica de Davos que a ideia da globalização financeira ganhou seus contornos modernos. No evento promovido para a elite das finanças internacionais, aberturas inéditas de mercados começaram a ser desenhadas e um consenso foi erguido sobre os benefícios de um mundo sem fronteiras para o capital. Agora, o Fórum Económico Mundial de Davos abre sua 48.ª edição amanhã com um alerta: a crise financeira de 2008 pode ter sido superada e a economia pode ter voltado a crescer. Mas o mundo está “preso numa crise social”. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »