Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

PGR investiga alegado esquema de corrupção na Direcção de Pequenos Negócios do BPC

A Procuradoria-Geral da República (PGR) instaurou um inquérito para averiguar denúncias sobre a existência de um esquema de corrupção na Direcção de Pequenos Negócios, afecta ao Banco de Poupança e Crédito (BPC).

Segundo uma nota de imprensa divulgada hoje, 14, pela PGR, a instituição “tomou conhecimento, através das redes sociais, da existência de um esquema de corrupção que visa alguns funcionários da Direcção de Pequenos Negócios (DPN), afecta ao Banco de Poupança e Crédito (BPC)”.

A partir dessa denúncia pública, em que se alude à “cobrança ilegal de valores para o carregamento de cartões visa e transferências de divisas para o exterior do país”, a PGR instaurou um inquérito na DPN, “com a finalidade de aferir a veracidade dos factos e, em consequência, responsabilizar-se criminalmente os autores de tais práticas”

A PGR apela ainda “ao público em geral e às pessoas efectivamente lesadas” a que se dirijam à Direcção Nacional de Prevenção e Combate à Corrupção, localizada no 5.º andar do edifício principal do Palácio da Justiça, para “prestarem informações que permitam o esclarecimento dos factos e o consequente exercício da acção penal”.

Nos termos da denúncia partilhada nas redes sociais, os clientes que pretendem enviar valores para o exterior ou para carregamento de cartões devem pagar a diferença entre o valor do dólar no mercado formal e informal.

“Este esquema de corrupção está a fazer com que muita gente séria e com muitos problemas de Saúde, formação, férias e outros, não consigam de forma lícita efectuar as suas transferência ou carregamentos de cartões. Estes técnicos corruptos são protegidos pelos diretores da DPN”, apontam os denunciantes.

Ainda segundo a mesma denúncia, com os ganhos, os autores destas práticas “estão a comprar casas no exterior como em Angola”. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »