Nunda garante melhoria nas condições de aquartelamento das FAA

O chefe do Estado-maior General das Forças Armadas Angolanas, Geraldo Sachipengo Nunda, defendeu ontem, em Luanda, a melhoria das condições de aquartelamento, alimentação, vestuário e lazer das tropas.

Geraldo Sachipengo Nunda lembrou que a melhoria das condições de aquartelamento das tropas vai continuar a situar-se entre as prioridades, ao mesmo tempo que se torna necessário redobrar o combate contra todas as tendências que visam desviar, em proveito próprio, meios do colectivo. “Para estas práticas, a nossa postura deve ser implacável por via da aplicação da lei e dos regulamentos militares”, sublinhou o chefe do Estado-maior General, para quem a actividade preventiva deve continuar na agenda diária independentemente da ocasião.

O general Geraldo Sachipengo Nunda destacou também o facto de as FAA terem terminado, em Junho, o cadastramento e o controle biométrico dos seus efectivos, o que “não deixa mais espaço para a existência de fantasmas nas listas das Forças Armadas”.

Ingresso nas FAA

Geraldo Sachipengo Nunda anunciou que as FAA, doravante, vão aprimorar os critérios de ingresso de novos efectivos, por entender que “não devem constituir-se num caminho para a fuga ao desemprego ou atalho para a progressão facilitada”.

Pelo contrário, disse, as FAA devem ser uma escola de honra, de honestidade, de princípios éticos e de reserva moral da sociedade. “Devemos ter nas nossas fileiras cidadãos idóneos com cadastro profundamente verificado e que aceitam o serviço militar como um direito e um dever”, disse o general, numa altura em que pretende que sejam utilizados os quadros mais qualificados e especializados das FAA para a elaboração de estudos que apresentem soluções exequíveis e conducentes ao desenvolvimento de um complexo industrial militar.

O Chefe de Estado-maior das FAA falou também na necessidade de se continuar a apostar na elevação da prontidão das Forças Armadas, no aperfeiçoamento do conhecimento e da técnica, bem como dos órgãos de Justiça Militar e da Inspecção das FAA. Geraldo Sachipengo Nunda fala em trabalhar com os órgãos especializados em gestão orçamental, pois “uma gestão, cada vez mais eficaz, torna-se vital, tal como a criação de condições para a produção de bens essenciais para se evitar a dependência permanente”. “O Estado, apesar das suas limitações, tem colocado à disposição das FAA recursos consideráveis para estarmos preparados a todos os níveis”, reconheceu.

O chefe de Estado-maior das FAA lembrou que este ano o Exército recebeu os primeiros aviões SU 30 (marcam uma grande diferença no domínio aéreo da região) e os helicópteros Augusta Westland e os sistemas de defesa antiaérea, bem como a primeira Lancha Super Dvóra, que incorporou os meios da Marinha de Guerra Angolana. “Nem tudo foi sucesso”, disse o chefe do Estado-maior, para quem é fundamental “olhar para o que foi a prestação individual e funcional de cada um para identificar as falhas e as metas não alcançadas e mudar-se de atitude”.

Para o general, a condição militar não permite erros cíclicos, pois “estaríamos a colocar o país que juramos defender em perigo ou a nos tornar vulneráveis, o que não podemos tolerar” e defende padrões de excelência em todos os processos, procedimentos e acções. Recentemente, o ministro da Defesa Nacional, Salviano de Jesus Sequeira, garantiu o órgão que dirige vai dar continuidade ao processo de modernização das Forças Armadas Angolanas (FAA), de forma a dotá-las de capacidade de intervenção nos espaços sob sua responsabilidade.

Estas tarefas, disse, devem ser complementadas com a construção e reabilitação de quartéis e infra-estruturas de acomodação das tropas.

Outros esforços, acrescentou, vão juntar-se ao processo de criação de indústrias de defesa, de forma a reduzir a dependência externa no fornecimento de bens e serviços essenciais às FAA.

Isto, acrescentou, “no sentido de permitir a atracção de militares fora do activo, quer por limitação de tempo, como por limitações físicas, assim como de jovens provenientes dos diferentes cursos nas instituições académicas”. Além disso, frisou, colocam-se outros desafios como as missões de apoio à paz e de apoio às populações em situações de emergência e catástrofes.

Formados mais de quinhentos militares das Forças Armadas

As Forças Armadas Angolanas (FAA) contam com mais 550 militares formados em 2017, em instituições de ensino superior militar, incluindo estrangeiras, anunciou o chefe do Estado Maior General, Geraldo Sachipengo Nunda.

Durante este ano, referiu, regressaram ao país 287 militares que concluíram a sua formação superior militar no exterior do país, concretamente 12 pós-graduados, incluindo doutoramento, a cargo do Estado Maior General, 134 de armas e serviços do Exército, 40 de armas e especialidades da Força Aérea Nacional, 83 das classes navais e 18 médicos especialistas.

No grau de licenciatura, disse, concluíram a formação 164 engenheiros e médicos no Instituto Superior Técnico Militar e, pela primeira vez, 99 militares terminaram, no país, a licenciatura em Ciências Militares pela Academia Militar do Exército, o que totaliza 550 quadros superiores militares.

A este propósito, Geraldo Sachipengo Nunda quer a apresentação do relatório nominal sobre a colocação dos militares licenciados ou formados, na reunião de dirigentes das FAA a decorrer no próximo ano, em cumprimento da directiva do Comandante-em-Chefe das FAA, João Lourenço.

Além disso, defende passos concretos nos domínios da produção científica e da gestão eficaz que permita colocar os resultados à disposição das tropas e da sociedade. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »