Nova lei impede participação de partidos nas presidenciais de 2018

A Assembleia Constituinte da Venezuela (AC), composta na totalidade por simpatizantes do regime, aprovou na quarta-feira um decreto que impede os partidos políticos que boicotaram as últimas eleições de participarem nas presidenciais de 2018.

O decreto para a validação de partidos políticos obriga os movimentos que não participaram nas eleições de 10 de dezembro a iniciar um processo de revalidação junto do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), caso contrário ficarão impedidos de participar nas presidenciais, previstas para 2018.

O decreto implica a interdição de participação em atos eleitorais de três grandes partidos – Ação Democrática, Vontade Popular e Primeiro Justiça -, mas também movimentos mais pequenos, como o Nova Ordem Social, presidido pela lusodescendente Venezuela Portuguesa da Silva.

Estes partitos boicotaram o escrutínio de dezembro por acreditar que não existiam garantias eleitorais e por falta de confiança no CNE.

No texto aprovado lê-se que “as organizações políticas, para participar em processos eleitorais nacionais, regionais ou municipais, devem ter participado nas eleições do período constitucional de âmbito nacional, regional ou municipal, imediatamente anterior”.

A 11 de dezembro último, o Presidente da Venezuela anunciou que os partidos que não participaram nas eleições municipais da véspera e apelaram à abstenção estavam impedidos de participar nas próximas presidenciais.

“Vontade Popular e Primeiro Justiça [dois dos principais partidos opositores] desaparecem do mapa político venezuelano porque não participaram [nas eleições] e pediram um boicote das eleições. Não podem participar mais. Esse é o critério da Assembleia Constituinte e eu, como chefe de Estado de um poder constituído, apoio”, disse.

Nicolás Maduro falava aos jornalistas, em Caracas, durante as eleições de 10 de dezembro, em que 1.568 candidatos, a maioria deles ligados ao regime, se candidataram à liderança de 335 câmaras municipais, durante os próximos quatro anos.

Por outro lado, a presidente da AC, Delcy Rodríguez, indicou que a assembleia estava “a avaliar os mecanismos para preservar o sistema partidário da participação política na Venezuela” e que “muito em breve” daria “a conhecer a vontade do plenário”.

Em dezembro último, o CNE autorizou 13 dos 59 partidos políticos venezuelanos a registar candidatos para as eleições autárquicas.

As outras formações não foram autorizadas a candidatar-se por não terem completado um polémico processo de revalidação dos partidos políticos, realizado pelo CNE em fevereiro passado. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »