Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Investigadora lamenta que consumo de álcool não preocupe S. Tomé

A investigadora em comunicação em saúde Isabel de Santiago criticou a ausência de “uma grande mobilização” da opinião pública são-tomense para o excesso de consumo de álcool no país.

“Para mim, isso não é uma questão criminal nem de justiça, isso é uma questão de saúde pública”, afirmou à Lusa a docente do Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, que está de visita a São Tomé e Príncipe para tentar sensibilizar as autoridades locais para o problema.

De acordo com um estudo feito pela investigadora, que tem nacionalidade portuguesa e são-tomense, o 58% dos rapazes e 43% das raparigas tomam bebidas alcoólicas excessivamente e frequentemente, um número que coloca o país como o maior consumidor de álcool da lusofonia.

“Esse estudo está realizado e o grande consumo, do ponto de vista epidemiológico, chama-se álcool e é por esta matéria que nós vamos começar por trabalhar”, disse Isabel de Santiago

Segundo a investigadora, nos jovens de entre 15 e 18 anos, “entre 39% e 46% bebem excessivamente e frequentemente”, enquanto nos jovens com mais de 19 anos “há uma percentagem superior a 63%”.

“Eu tenho pena que as vezes as pessoas não acordem para a vida. A política para mim não merece o respeito quando a política não considera as pessoas”, disse a investigadora que está na capital são-tomense para participar numa Conferência Internacional Álcool e Drogas, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – África

A investigadora considera “muitíssimo preocupante” os resultados de amostras de bebidas alcoólicas de fabrico artesanal da região norte da ilha de São Tomé, feitas em março deste ano pelo Laboratório de Estudos Farmacêuticos (LEF) da Associação Nacional de Farmácias que mostraram vestígios elevados de níquel, resíduos das pilhas utilizadas no processo,

Isabel de Santiago está em São Tomé cerca de duas semanas e tem previsto um conjunto de atividades com vista a tentar alterar “esse quadro preocupante” de consumo de bebidas alcoólicas no país.

“Perante os desafios que sentimos junto das comunidades, fomos falando com as diferentes igrejas e houve uma grande incidência com a igreja católica”, explicou.

“Só depende de nós mudar a ordem natural das coisas e começarmos isto tudo, portanto nós não vamos parar, mobilizamos os escuteiros, temos a sociedade civil já do nosso lado, estamos a fazer um conjunto de intervenções preventivas. Isto é uma questão de saúde pública”, destacou.

A autora do inquérito pretende igualmente criar “grupos de jovens para fazer a capacitação das crianças”, com o envolvimento de empresários e artesãos são-tomenses.

O estudo realizado pela autora portuguesa já tem três anos, apontava consumo excessivo de álcool e drogas o que “evidenciava e potenciava situações de comportamentos desviantes, potenciadores de criminalidade, desde logo violações e agressões físicas”. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »