Garimpeiros foram detidos na Lunda-Sul

A Polícia Nacional na Lunda-Sul deteve ontem, em flagrante, 229 indivíduos, dos quais 14 estrangeiros, sendo 12 da República Democrática do Congo (RDC), um do Senegal e outro da Zâmbia, a explorar ilegalmente diamantes.

Durante uma operação denominada “Luvuvamu”, a Polícia Nacional apreendeu com os detidos 182 pás de escavação, 93 crivos artesanais, 23 catanas, uma picareta, 20 barraminas, além de 168 pequenas porções de liamba. Na sequência, foram destruídas 220 cabanas utilizadas pelso garimpeiros ilegais.´

O delegado do Ministério do Interior e comandante provincial da Polícia Nacional, comissário Aristófanes dos Santos, explicou ao Jornal de Angola que a operação começou por volta das três horas da madrugada e esteve inserida no combate à imigração ilegal nas zonas de exploração de diamantes, na localidade de Samusseleca, em Saurimo, e nas imediações de Lucapa, província da Lunda–Norte.

Efectivos de diversas especialidades da Polícia Nacional, nomeadamente 80 da Polícia de Intervenção Rápida (PIR), dez do Serviço de Investigação Criminal (SIC) e igual número do Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) fizeram parte da operação.
Aristófanes dos Santos explicou que está em curso a instrução dos processos para a expulsão dos estrangeiros, sendo que os da República Democrática do Congo vão seguir através da fronteira do Chiluange, ao passo que o zambiano vai ser encaminhado para a província do Moxico, de onde deve ser repatriado para o seu país.

O comandante provincial da Polícia Nacional considera o garimpo e o tráfico ilícito de diamantes na província um problema económico e uma ameaça à segurança nacional, sobretudo porque arrasta várias situações de natureza demográfica, política e cultural.

“O garimpo faz com que muitos cidadãos se dediquem a práticas criminais, como a imigração ilegal, transferência ilícita de capitais, fuga ao fisco, branqueamento de capitais, pelo que têm sido realizadas acções para a inversão do actual quadro”, disse o comandante. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »