Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Finlândia comemora 100 anos de independência da Rússia

Um século depois de sua declaração de independência da Rússia, a Finlândia reivindica, mais do que nunca, seus laços com o Ocidente, frente a seu poderoso vizinho, em um contexto de crescente tensão entre Moscou e os países ocidentais.
A anexação à Rússia da Crimeia em 2014 e o aumento de atividades militares no Báltico colocaram à prova as relações entre Helsinki e Moscovo, que sempre dependem de um esforço diplomático.

Assim como outros países de seu entorno, como Suécia e Dinamarca, os países Bálticos e a Polónia, a Finlândia lançou nos últimos anos uma modernização de seu exército e multiplicou as iniciativas para se aproximar da OTAN, sem selar a entrada no pacto.

Contudo, a retórica continua sendo muito cautelosa para referir-se à Rússia, seu quinto parceiro comercial.
“Estamos prontos para nos defender, mas não especulamos nem sobre a natureza de um conflito nem sobre os países”, de onde poderiam vir as ameaças, disse em uma entrevista à AFP o ministro de Relações Exteriores, Timo Soini.
“Somos duas nações independentes e não pedimos permissão uma à outra”, antes de tomar essa ou aquela orientação estratégica, assegurou.

– Receio em relação a vizinho –

Depois de ter sido um território sueco durante seis séculos, até 1809, passou a ser um ducado russo até 1917, quando conquistou sua independência no final da Primeira Guerra Mundial, após a queda do império czarista.
Reconhecido como independente da URSS em 1918, o país nórdico teve que combater seu “grande vizinho do leste” durante o inverno de 1939 a 1940 e depois entre junho de 1941 e setembro de 1944, para evitar ser invadido pelos comunistas.
No tratado de Paris de 1947, se reconhece a derrota da Finlândia e a obrigação de pagar importantes reparações de guerra à URSS e a entregar-lhe de forma definitiva 10% de seu território, a região de Carélia Oriental.

O custo humano e a perda de territórios continuam muito presentes na memória coletiva dos 5,5 milhões de finlandeses. Segundo um velho ditado “não há nada bom que venha do leste, salvo o sol”.

“Do ponto de vista finlandês, (a Rússia) não é uma verdadeira ameaça, e sim um grande vizinho que sempre gera receios e com quem a história comum nem sempre tem sido fácil”, resumiu Barbara Knuz, especialista e, países nórdicos no Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI).

O fim da URSS em 1991 mudou tudo. Embora a Finlândia tenha permanecido como um país não alinhado do ponto de vista militar, rapidamente Helsinki entrou na órbita europeia em 1995 e deixou sua moeda, o markka, para adotar o euro em 2002.

Desde então, a fronteira entre ambos os países é a mais extensa entre União Europeia e Rússia (1.340 km). Graças a sua orientação para o Ocidente, a Finlândia tem buscado sempre assegurar-se que conta com um “escudo” diplomático e de segurança.
“Nós fazemos parte do Ocidente e precisamos das potências ocidentais para estabilizar a situação com a Rússia”, explicou Markku Kivinen, diretor do Instituto Aleksanteri de Helsinki.

– Neutralidade pragmática –

Entretanto, contrariamente aos países Bálticos, que ganharam sua independência no começo da década de 1990, a Finlândia não pretende dar um passo definitivo e somar-se à Aliança Atlântica, por medo da reação de Moscovo.
Segundo uma pesquisa publicada no final de novembro pela televisão pública Yle, somente 22% dos finlandeses acreditam que a entrada na OTAN é uma boa opção, opinião que baixou três pontos em um ano.
Neste país, a doutrina da não alineação é um consenso.

“Temos que continuar independentes. Ninguém sabe o que pode acontecer com a Rússia”, contou Heini Vahtera, moradora de Helsinki.

“Uma adesão geraria uma reação muito dura por parte dos russos”, advertiu Jean de Gliniasty, especialista em Rússia do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (IRIS) e antigo embaixador da França em Moscovo.

Uma fonte diplomática da OTAN explicou que a adesão seria puramente simbólica já que o país se somou a seu pacto para a paz em 1994 e é parte de suas operações conjuntas nos Bálcãs e no Afeganistão.

Por sua vez, Moscovo destacou sua participação nas celebrações do centenário, o próximo 6 de dezembro.
O presidente russo, Vladimir Putin, aproveitou uma visita em julho para ressaltar o “diálogo político” entre ambos os países durante um encontro com seu colega finlandês, Sauli Niinistö. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »