Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

FAO pede à UE e USAID ajuda para enfrentar seca no sul de Angola

O Fundo da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apelou à União Europeia (UE) e à agência de cooperação dos Estados Unidos (USAID) ajuda para minimizar os efeitos da seca no sul de Angola.

O pedido foi feito pelo coordenador do programa de emergência da FAO para Angola, Mateus António, que tem acompanhado a situação de escassez de água e pasto nas províncias de Benguela e da Huíla.

Os efeitos da seca provocaram já a morte em algumas províncias do sul de Angola de milhares de cabeças de gado.

“Esperamos que os nossos doadores habituais, como por exemplo a União Europeia e a USAID [Agência dos Estados Unidos da América para o Desenvolvimento Internacional), e não só, que vejam esta emergência, como uma situação difícil para as populações de Caimbambo”, disse Mateus António, em declarações emitidas pela rádio pública angolana.

O município de Caimbambo, província de Benguela, enfrenta há dois meses um período de estiagem, que causou já a morte de mais de 1.700 cabeças de gado bovino, tendo as autoridades locais lançado um plano de emergência para mitigar a situação, que prevê a aquisição de 800 fardos de feno.

Nesse sentido, Caimbambo foi já abastecido com cerca de 14 toneladas de capim, mas as quantidades são irrisórias para atender as 102.765 cabeças de gado bovino registadas.

Segundo o administrador municipal de Caimbambo, José Cambiete, estão já em construção as represas e a serem abertas ‘chimpakas’ (reservatórios de água).

“Já começamos a fazer a transportação e neste momento para o município de Caimbambo temos já cerca de 14 toneladas de feno e temos uma população animal que vai de 102.765 cabeças de gado”, mencionou.

A seca, que tem afetado algumas províncias do sul do país, afetou igualmente os criadores de gado do município de Quilengues, província da Huíla, apontando-se a morte de 50 cabeças de gado bovino, nas duas últimas semanas.

De acordo com o administrador local, Armando Vieira, “está a morrer muito gado no Quilengues”. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »