Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Assembleia Geral da ONU votará resolução sobre Jerusalém

A Assembleia Geral da ONU fará uma sessão de emergência nesta quinta-feira para votar um projeto de resolução que rejeita a decisão do presidente Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, depois que os Estados Unidos vetou a medida no Conselho de Segurança.

Turquia e Iêmen solicitaram a reunião urgente da Assembleia em nome do grupo de países árabes e da Organização de Cooperação Islâmica (OCI).

Os dois países circularam um projeto de resolução nesta terça-feira que reflete o projeto vetado por Washington, reafirmando que qualquer decisão sobre o estatuto de Jerusalém não tem efeito e que deve ser revogada.

Assim como o texto apresentado pelo Egipto, o projeto de resolução a Assembleia de 193 países votará não menciona a decisão de Trump, mas expressa “uma profunda preocupação sobre as recentes decisões acerca do estatuto de Jerusalém”.

Miroslav Lajcak, presidente da Assembleia Geral, informou sobre a sessão de emergência em uma carta enviada na noite de segunda-feira às 193 delegações.

Os Estados Unidos vetaram nesta segunda-feira o projeto de resolução que reafirmava que qualquer decisão sobre o status de Jerusalém carece de efeito legal.

O Egipto havia apresentado o projeto que era apoiado pelos outros 14 membros do Conselho de Segurança.

O embaixador palestino, Riyad Mansur, disse que será apresentado um projeto de resolução similar na assembleia e espera apoio.

Ao contrário do Conselho de Segurança, nenhum país tem poder de veto na Assembleia Geral.

“A Assembleia Geral dirá, sem medo veto, que a comunidade internacional se nega a aceitar a posição unilateral dos Estados Unidos”, disse Mansur a jornalistas.

A decisão de Trump em 6 de dezembro de reconhecer Jerusalém rompeu com o consenso internacional, desencadeando protestos em todo o mundo muçulmano e provocando uma forte condenação. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »