Andebol: Odeth Tavares pede mais comunicação frente à Eslovénia

A antiga capitã da selecção nacional sénior feminina de andebol Odeth Tavares sugeriu hoje (segunda-feira), às guarda-redes do “sete” angolano que mantenham mais comunicação com o sector ofensivo na partida da terceira jornada do campeonato do mundo da modalidade que decorre na Alemanha, frente à Eslovénia.

Em declarações à Angop a propósito da prestação na prova Mundial, em que Angola apenas somou derrotas, a antiga guarda-redes mostrou-se preocupada com a falta de entrosamento entre o sector mais avançado o mais recuado.

A actualmente deputada a assembleia nacional disse que notou este défice nas jogadoras, o que justifica os desfechos na estreia com a Espanha 24-28 e depois com França (19-26) no Grupo B, por 19-26.

“Não é que a selecção esteja a jogar mal. Estão a jogar bem mas falta alguma atenção nos aspectos tácticos e técnicos, porque Angola está a perder por diferença de poucos golos; se elas conseguirem manter a comunicação vão superar a Eslovénia”, frisou.

Odeth Tavares salientou que pela experiência que tem, a visão periférica do jogo quem tem são as guarda-redes que ficam atrás, por isto é que estas não podem deixar de manter o dialogo com as pontas.

“Angola está a evoluir muito em participações em Mundiais. Este grupo B é um dos mas fortes da prova, e o sete nacional está a ombrear de igual para igual com estas selecções com um grade histórico a nível do andebol mundial”.

A também presidente da Associação Mulher e Desporto (AMUD) faz fé que a guarda-redes angolana Cristina Branco, que foi expulsa depois de um choque com uma adversária, possa jogar terça-feira e dar o seu melhor em campo.

A responsável que iniciou a carreira em 1987 no Nacional de Benguela explicou que a falta que Cristina Branco cometeu, que originou o vermelho directo, segundo as regras da federação internacional de andebol só dá punição no jogo em causa e não nos seguintes. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »