Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Alemanha apela ao diálogo de todas as partes para reduzir tensão

O Governo alemão apelou hoje a “todas as partes em Espanha” para que dialoguem e evitem uma escalada das tensões, um dia depois das eleições autonómicas na Catalunha, em que os independentistas conquistaram a maioria absoluta.

“Os deputados têm agora de formar governo. Esperamos que isso conduza a ultrapassar as divisões da sociedade catalã a fim de alcançar um futuro comum com a participação de todas as forças políticas de Espanha”, disse numa conferência de imprensa regular o porta-voz do Governo alemão, Ulrike Demmer.

“O governo está confiante de que todos os atores em Espanha (…) vão usar as muitas oportunidades de diálogo” e de redução da tensão, disse, acrescentando que, qualquer que seja o governo catalão que se venha a formar, “deverá agir dentro do respeito pelo Estado de direito e da Constituição espanhola”.

Os partidos que defendem a independência da Catalunha obtiveram nas eleições autonómicas de quinta-feira uma maioria absoluta no parlamento catalão e prometem manter o desafio secessionista a Madrid.

Nas eleições, os partidos independentistas obtiveram 70 dos 135 lugares do parlamento, um número que sobe para 78 lugares se forem contabilizados os defensores de um novo referendo legal (partidos independentistas mais CatComú-Podem).

No entanto, o partido vencedor das eleições foi o Cidadãos, mas a cabeça de lista, Inés Arrimadas, admitiu que não poderá ser chefe do governo regional, considerando a “lei injusta” que “dá mais lugares a quem tem menos votos” na rua.

As eleições foram convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, no final de outubro, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional presidido por Carles Puigdemont por ter declarado unilateralmente a independência da região. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »