Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Homicídios aumentam e este foi o ano mais mortal na história do México

Até ao final de novembro as autoridades mexicanas já tinham aberto mais de 23 mil investigações de homicídio. Crimes dos cartéis da droga começam a chegar às zonas mais turísticas do México.

O México continua a ser alvo de destaque por um dos piores motivos. O combate ao narcotráfico não parece ser eficiente ao ponto de impedir o crescimento da violência e da onda de homicídios. Nos primeiros 11 meses do ano as autoridades mexicanas abriram 23,101 mil investigações de homicídio, de acordo com números divulgados pelo ministro do interior mexicano.

Esta estatística significa que 2017 já é o ano mais mortal da história do México, muito embora as estatísticas de homicídios no país só tenham começado a ser compiladas a partir de 1997, avança o The Guardian. O número supera as 22,409 mil investigações de homicídio abertas em 2011.

Ainda assim a taxa de homicídio no México é mais baixa do que noutros países da América Latina: 18.7 homicídios por 100 mil habitantes este ano, segundo dados das Nações Unidas. As Honduras registaram 64 homicídios por 100 mil habitantes e El Salvador 109 homicídios por 100 mil habitantes em 2015, o último ano em que foi divulgada a estatística.

Mas a tendência não parece augurar nada de bom para o México. Desde que Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, líder do cartel de Sinaloa – o mais poderoso do México – foi detido, a onda de violência aumentou. Lutas de poder no seio do cartel de Sinaloa, mas também entre os cartéis que tentam conquistar mais território, fizeram disparar o número de mortes.

Como se isso não bastasse, os homicídios relacionados com o narcotráfico começam a atingir zonas turísticas como Cancun e Los Cabos, algo que não sucedia antes.

O aumento do número de homicídios no México representa também o falhanço das políticas do presidente Enrique Peña Nieto, que se tinha comprometido a controlar a violência provocada pela guerra entre os cartéis. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »