Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Polícia Nacional de Cabo Verde inicia greve de três dias

A Polícia Nacional (PN) de Cabo Verde inicia às 00:00 horas de quarta-feira uma greve de três dias, a primeira da sua história, depois de terem falhado as negociações com a tutela.

De acordo com o Sindicato Nacional de Polícia (SINAPOL), apesar da mediação da Direção Geral do Trabalho, não foi possível o entendimento com o Ministério da Administração Interna (MAI) relativamente à atualização salarial dos agentes da PN.

Não houve também acordo para definição dos serviços mínimos, o que levou o Governo a avançar com a requisição civil para os dias 27, 28 e 29 de dezembro.

O SINAPOL acusa o MAI de não ter cumprido o memorando de entendimento assinado em março, no qual se comprometia a atender às reivindicações dos polícias e que levou à desconvocação de uma greve marcada nessa altura.

Os polícias reivindicam a atualização salarial dos agentes da Polícia Nacional, a redução da carga horária e a introdução de um regulamento de trabalho e pagamento de subsídio de condição policial à guarda fiscal, com efeitos retroativos.

Da lista de reivindicações consta também o pagamento de 25% sobre o vencimento, como subsídio de condução, ao pessoal da PN que exerce, cumulativamente, as funções de condutores.

Em declarações à Televisão de Cabo Verde (TCV), o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, estranhou a concretização da “primeira greve da história da Polícia Nacional” num ano em que o Governo fez o “maior investimento na Polícia Nacional”, destacando a aprovação da grelha salarial, a atualização do índice salarial e as progressões na corporação.

“Esta é a primeira greve na história da polícia, que tem 147 anos, por coincidência e estranhamente no ano em o Governo fez o maior investimento de sempre (3,6 milhões de euros) na Polícia Nacional. Há que ter alguma razoabilidade”, disse.

Paulo Rocha considera que o que está em causa nesta greve é a exigência de uma nova atualização do índice salarial para os próximos três anos, adiantando que o sindicato apresentou reivindicações que “nunca estiveram em cima da mesa”, como o subsídio de condução.

Paulo Rocha deixou uma mensagem de tranquilidade aos cidadãos, numa altura tradicionalmente de mais trabalho para a polícia, assegurando que o Governo tudo fará “para que nada se altere em termos de segurança e de ordem pública”.

A Polícia Nacional de Cabo Verde tem cerca de dois mil agentes. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »