Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ex-ministro e gestores moçambicanos libertados sob caução no caso LAM/Embraer

A justiça moçambicana libertou o ex-ministro dos Transportes Paulo Zucula, o ex-presidente das Linhas Aéreas de Moçambique José Viegas e ex-gestor da norte-americana General Electrics Mateus Zimba, mediante pagamento de caução, num caso relacionado com a compra de aviões.

Os três arguidos foram detidos por alegada corrupção na compra de aviões da transportadora nacional Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) à fabricante brasileira Embraer e foram colocados em liberdade depois de pagarem uma caução global de 14,5 milhões de meticais (mais de 197 mil euros).

Paulo Zucula, ex-ministros dos Transportes e Comunicações, foi obrigado a pagar cinco milhões de meticais (84 mil euros) para responder o processo em liberdade, segundo fontes ligadas ao processo citadas hoje pelo diário Notícias.

José Viegas e Mateus Zimba pagaram 3,5 milhões de meticais (42 mil euros) e seis milhões de meticais (84 mil euros), respetivamente.

Os três gestores foram detidos no início do mês, por ordens do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo e a pedido do Ministério Público moçambicano, no âmbito de uma investigação judicial ao alegado pagamento de subornos pela Embraer no valor de 800 mil dólares (681 mil euros).

Segundo o Ministério Público moçambicano, o dinheiro que os arguidos receberam resultou de uma sobrefaturação que engendraram na compra para as Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) de dois aviões à fabricante brasileira Embraer em 2008 e 2009.

A Procuradoria-Geral da República de Moçambique anunciou que as investigações decorreram em articulação com as autoridades brasileiras e diferentes crimes estão sob suspeita.

As autoridades moçambicanas estavam a investigar o uso indevido de fundos públicos no processo da compra, venda e aluguer de duas aeronaves Bombardier Dash 8 Series Q400, pela empresa Linhas Aéreas de Moçambique, quando foram conhecidas as averiguações no Brasil sobre o negócio LAM/Embraer, sendo os dois processos concentrados num só.

Além de Moçambique e Brasil, as investigações alargaram-se a Portugal, São Tomé e Príncipe, Brasil, Estados Unidos da América, Reino Unido (Isle of Man) e França. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »