- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Executivo discute situação económica e social do país

Executivo discute situação económica e social do país

O Presidente da República, João Lourenço, orienta amanhã a reunião ordinária do Conselho de Ministros, para analisar a vida política, económica e social do país.

De acordo com um comunicado de imprensa, a reunião do titular do Poder Executivo com os seus auxiliares acontece na sala de trabalhos do Palácio Presidencial da Cidade Alta.
Na última reunião, no dia 8 deste mês, o órgão colegial do Governo apreciou a Proposta de Lei que aprova o Orçamento Geral do Estado (OGE) para o ano de 2018.

De acordo com o comunicado de imprensa da primeira sessão extraordinária, orientada pelo Presidente da República, João Lourenço, a Proposta de Lei dedica uma parte considerável dos recursos disponíveis à garantia da soberania, da integridade territorial e da segurança dos cidadãos.

A proposta, que já foi remetida à Assembleia Nacional, privilegia o reforço da cidadania e a construção de uma sociedade cada vez mais inclusiva, a concretização da reforma e modernização do Estado, o desenvolvimento sustentável com inclusão económica e social, bem como a redução das desigualdades.

Constam também das prioridades do OGE para 2018, a edificação de uma economia diversificada, competitiva, inclusiva e sustentável, tendo em vista a expansão do capital humano e a criação de oportunidades de emprego qualificado e remunerado. Na mesma sessão foi ainda aprovado o Regulamento do Conselho de Governação Local, diploma que estabelece as regras e os princípios sobre a organização e funcionamento do órgão auxiliar do Titular do Poder Executivo, responsável pela formulação e acompanhamento da execução das políticas de governação da Administração do Estado a nível local.

Desafios do OGE

A proposta do principal instrumento de execução financeiro do governo para exercício económico do próximo ano já foi apreciado pela Comissão Económica do Conselho de Ministros.

A proposta de OGE prevê maximizar as receitas em sectores como os da agricultura, diamantes e petróleo, bem como evitar o endividamento externo e executar as despesas com base nas receitas arrecadadas.
A Lei Quadro do Orçamento Geral do Estado (Lei n.º 15/10, de 14 de Julho) estabelece que as despesas correntes não devem em caso algum ultrapassar as receitas correntes.

O petróleo ainda continua a ser a principal fonte de arrecadação de receitas em Angola. A proposta de OGE para 2018 apresenta como referência do preço do barril do petróleo 50 dólares, com base nas projecções da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). O Plano Intercalar do Governo fez uma projecção de 45 dólares do preço do barril.

O OGE de 2018, o principal instrumento de execução financeiro do Executivo saí­do das eleições de 23 de Agosto para o próximo ano, inclui o Programa de Investimentos Públicos (PIP/2018), que integra a construção de escolas, hospitais, estradas, pontes e outras obras, incluindo infra-estruturas que o Governo vai erguer em todo o país.

O Conselho de Ministros avaliou em Outubro deste ano o cronograma actualizado para a elaboração do OGE para 2018.
“Temos um conjunto de acções viradas para a melhoria da qualidade da despesa e da arrecadação fiscal”, disse, na ocasião, o ministro das Finanças, Archer Mangueira, para lembrar que está em curso o Programa de Potenciação da Receita Tributária focado no alargamento da base tributária.

O objectivo é fazer com que mais pessoas paguem impostos e isso reforce o Orçamento Geral do Estado. Depois de ser apreciado pela Comissão Económica do Conselho de Ministros, a proposta de Orçamento Geral do Estado foi remetido à Assembleia Nacional, para a sua discussão e votação.

A Lei n.º 15/10 estabelece que o Presidente da República remete à Assembleia Nacional a proposta final de Orçamento Geral do Estado relativa ao exercício subsequente até ao dia 31 de Outubro, a qual deve ser votada, naquele órgão de soberania, até 15 de Dezembro.

No entanto, uma adenda à lei introduzida em 2012 permite o alargamento do período para apresentação do projecto de Lei do Orçamento Geral do Estado para o ano subsequente em ano de eleições. Esta alteração permite que a proposta seja levada ao Parlamento angolano até 15 de Dezembro e que a votação aconteça até 15 de Fevereiro, neste caso de 2018.
Neste cenário, conforme determina a mesma lei, sem a votação de um novo Orçamento no Parlamento, \”reconduz-se o orçamento do ano anterior, até a sua aprovação final, vigorando as regras duodecimais sobre a gestão orçamental até a aprovação da nova proposta”.

Crescimento do PIB

O Governo angolano está a trabalhar numa base macroeconómica para 2018 que assenta no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,4 por cento, mas uma taxa de inflação ainda a dois dígitos, acima dos 17 por cento a um ano.
As projecções constam do Plano Intercalar do Executivo a seis meses (Outubro a Março), para melhorar a situação económica e social do país, aprovado a 10 de Outubro, na primeira reunião do Conselho de Ministros presidida pelo novo Chefe de Estado, João Lourenço e que antecedeu a apresentação do de 2018.

No documento, a previsão do crescimento da economia é impulsionada essencialmente pelo aumento no PIB não petrolífero, que sobe 4,4 por cento, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) petrolífero aumenta apenas 1,3 por cento. Em 2016, de acordo com as estimativas apresentadas pelo Governo, a economia angolana cresceu apenas 0,1 por cento. (Jornal de Angola)

- Publicidade -
- Publicidade -

Portugal, país euroafricano

Portugal é há muito um país euroafricano não assumido. Vozes como a da historiadora e professora Isabel de Castro Henriques, que estudam as marcas...
- Publicidade -

Reflexões sobre o calendário escolar

Após a realização do diagnóstico sobre o rendimento do Subsistema do Ensino de Base, em 1986, os primeiros sinais de mudança de uma economia...

De números desconhecidos: Burlas por telefone na calada da noite

Edson Cadete disse que alguns amigos aconselharam-no a retomar as chamadas e outros o desencorajaram a fazê-lo. Nós últimos dias cresce o número de pessoas...

Zangam-se as Comadres, Descobrem-se as Verdades!

Empresários nacionais em 2012, segundo o Confidence News, já o denunciavam como sendo, o “homem do Presidente”. Edeltrudes Costa de seu nome, foi vice...

Notícias relacionadas

Portugal, país euroafricano

Portugal é há muito um país euroafricano não assumido. Vozes como a da historiadora e professora Isabel de Castro Henriques, que estudam as marcas...

Reflexões sobre o calendário escolar

Após a realização do diagnóstico sobre o rendimento do Subsistema do Ensino de Base, em 1986, os primeiros sinais de mudança de uma economia...

De números desconhecidos: Burlas por telefone na calada da noite

Edson Cadete disse que alguns amigos aconselharam-no a retomar as chamadas e outros o desencorajaram a fazê-lo. Nós últimos dias cresce o número de pessoas...

Zangam-se as Comadres, Descobrem-se as Verdades!

Empresários nacionais em 2012, segundo o Confidence News, já o denunciavam como sendo, o “homem do Presidente”. Edeltrudes Costa de seu nome, foi vice...

FinCEN Files. Como os grandes bancos facilitaram milhares de milhões de dólares em transferências para criminosos

Mais de dois mil relatórios bancários confidenciais obtidos pelo BuzzFeed News e partilhados com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), do qual...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.