Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Acabar com programa nuclear é “sonho irrealizável” dos EUA, diz Pyongyang

A Coreia do Norte classificou hoje como “um sonho irrealizável” o desejo norte-americano de pôr fim ao programa nuclear norte-coreano e defendeu o seu “direito legítimo” a lançar “satélites espaciais”.

“Os nossos lançamentos de satélites são um exercício legítimo de um direito reconhecido pela Carta das Nações Unidas” e baseiam-se na “lei internacional sobre o uso pacífico do espaço”, pode ler-se num artigo publicado hoje pelo diário oficial norte-coreano Rodong Sinmun, citado pela Efe.

A comunidade internacional vê estes lançamentos como ensaios de mísseis encobertos.

No artigo, Pyongyang diz que continuará a promover o seu “desenvolvimento pacífico” de programas espaciais “em linha com a tendência internacional”, referindo outros lançamentos de foguetes equipados com satélites realizados este ano por países como a Argélia ou a Venezuela.

O Conselho de Segurança da ONU impôs na sexta-feira, por unanimidade, novas sanções à Coreia do Norte em resposta ao ensaio, no final de novembro, de um míssil balístico intercontinental que poderá atingir território dos Estados Unidos.

Os 15 Estados-membros do Conselho de Segurança aprovaram por unanimidade uma resolução proposta pelos Estados Unidos, que endurece as amplas sanções internacionais contra o regime de Kim Jong-un.

As novas sanções incluem sérias restrições ao envio de produtos petrolíferos para Pyongyang e a repatriação dos norte-coreanos que trabalham no estrangeiro, e cujos rendimentos beneficiam o Governo do país.

“Definimos esta ‘resolução de sanções’ arranjada pelos EUA e os seus seguidores como uma grave violação da soberania da nossa República, como um ato de guerra que viola a paz e a estabilidade na península coreana e na região e rejeitamos categoricamente a ‘resolução'”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte no comunicado.

O Ministério disse que as sanções equivalem a “um completo bloqueio económico” da Coreia do Norte.

“Se os EUA desejam viver em segurança, devem abandonar a sua política hostil contra a RDPC [República Democrática Popular da Coreia, o nome oficial da Coreia do Norte] e aprender a coexistir com o país que tem armas nucleares e devem acordar do seu sonho irrealizável de o nosso país desistir das armas nucleares que desenvolvemos e completámos com todo o tipo de dificuldades”, lê-se no comunicado, divulgado pela agência oficial norte-coreana e citado pela AP.

Em 2017, a ONU endureceu por várias vezes as sanções contra a Coreia do Norte em resposta ao incremento dos ensaios nucleares e de mísseis concretizados pelo regime.

As sanções aprovadas na sexta-feira são uma resposta ao ensaio realizado em finais de novembro, quando foi utilizado um míssil balístico mais avançado.

Segundo Pyongyang e numerosos especialistas, o projétil tem capacidade para alcançar todo o território continental dos Estados Unidos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »