Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

A personalidade do ano é Mário Centeno, o economista que venceu as probabilidades

O ministro das Finanças Mário Centeno foi eleito a personalidade do ano pela redacção do Negócios.

‘Que ano!’, pensará Mário Centeno nestes últimos dias de Dezembro, e com razão.

As primeiras notícias de 2017 não auspiciavam nada de bom. A agenda mediática estava dominada pelos ditos e não ditos quanto às condições de confidencialidade de salários oferecidas a António Domingues, o gestor que o ministro havia escolhido para liderar a Caixa, e que bateu com a porta meses antes dizendo-se traído. A polémica foi tal que o Presidente da República chegou a apoiar a continuação de Centeno no Governo apenas por atender “ao estrito interesse nacional, em termos de estabilidade financeira”. Quem diria na altura que hoje estaria nomeado para liderar o poderoso grupo dos ministros das Finanças da Zona Euro.

Este é mais um episódio na história do economista do Banco de Portugal que nos últimos anos bateu várias vezes as baixas probabilidades que o destino lhe concede. Depois de Carlos Costa lhe ter vedado o acesso à liderança do banco central, chegou a coordenador de um grupo de reconhecidos economistas de centro-esquerda que desenharam o programa económico do PS; de seguida, passou de pensador liberal a ministro das Finanças de um executivo apoiado por PCP e Bloco de Esquerda, partidos que nunca tinham apoiado um governo, e que sempre criticaram Centeno pela ideologia de mercado; finalmente, de ministro com pouco jeito político e fragilizado pela CGD salta para líder dos ministros do Eurogrupo que tantas vezes criticou.

Destes sucessos nenhum foi tão debatido como a liderança do Eurogrupo, por muitos considerava inacessível. Marques Mendes, ex-líder do PSD, chegou mesmo a dizer que a hipótese parecia “uma partidinha do dia das mentiras”. É verdade que não era fácil antecipar a conjungação de desenvolvimentos que levaram Centeno ao pódio, e que vão do desempenho económico interno ao tabuleiro político europeu, a que se juntou, também, alguma sorte.

Na frente económica, o ano fica marcado pela descida do défice perto de 1% do PIB; pela aceleração do crescimento para o ritmo mais elevado da década e pela descida do desemprego para valores pré-crise; e pela conclusão do processo de estabilização da banca. Tudo isto contribuiu para o fecho do Procedimento dos Défices Excessivos por Bruxelas, e para as subidas de rating que tiraram Portugal do lixo e ajudaram a baixar juros para valores inferiores aos italianos. Se a economia foi decisiva, também não conta tudo. Centeno beneficiou do facto de a direita europeia liderar grande parte dos altos cargos europeus (Comissão Europeia, Parlamento Europeu, e Conselho da UE, por exemplo), dando espaço a um socialista no Eurogrupo, e de muitos políticos na Europa quererem afastar-se da austeridade. Finalmente, alguma sorte: as eleições alemãs e as extensas negociações para um governo de coligação limitaram o apoio que Angela Merkel poderia ter dado a candidatos mais à direita, mesmo entre socialistas.

No fim, para a história fica a nomeação de Centeno, e mais uma vitória sobre as baixas probabilidades, o que aconselha cautela nas previsões sobre o seu futuro. (Negocios)

por Rui Peres Jorge

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »