Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Incertezas persistem na Catalunha após as eleições

Depois de três meses vertiginosos na Catalunha e de uma tentativa fracassada de secessão, muitos críticos esperavam que o separatismo perdesse terreno. Mas não foi o que aconteceu e a região continuará mergulhada na incerteza.

– Divisão persiste –

Os eleitores desta região espanhola renovaram a maioria absoluta obtida pelos partidos separatistas em 2015, apesar da mudança física de mais de 3.000 empresas e da rejeição da União Europeia à tentativa fracassada de separação da região.

Por sua vez, o partido anti-nacionalista Cidadãos alcançou o melhor resultado com 37 assentos de um total de 135, em um Parlamento dominado pelos 70 deputados pró-independência.

Após a impopular intervenção na autonomia regional por parte de Madrid e a violência policial durante o referendo de 1º de outubro, os separatistas se mantém fortes, mas um amplo número de catalães aposta na unidade nacional.

“Estamos agora em uma sociedade mais polarizada e mais confrontante. A possibilidade de uma solução consensual é menor do que era há um ano”, diz Oriol Bartomeus, cientista político da Universidade Autónoma de Barcelona.

– O futuro de Puigdemont –

Enquanto o Cidadãos venceu em termos de assentos e votos, está muito atrás da soma dos independentistas e não terá apoio suficiente para formar um governo.

Os separatistas, por sua vez, têm caminho livre para unir forças e formar um novo governo regional.

A candidatura liderada por Carles Puigdemont, deposto como presidente catalão por Madrid, foi a melhor colocada dentro do bloco.

Mas ele se encontra na Bélgica e é solicitado pela Justiça espanhola por suposta rebelião e sedição. Seu vice-presidente, Oriol Junqueras, também deputado eleito, está em prisão preventiva pelas mesmas acusações.

Outros seis líderes separatistas eleitos na quinta-feira estão na prisão ou na Bélgica.

Rafael Arenas, professor de direito da Universidade Autónoma, diz que Puigdemont pode retornar ao país, o que implicaria sua prisão imediata.

Ele e outros presos poderiam ser autorizados a ir ao Parlamento para tomar posse, mas não poderiam comparecer às sessões. Com isso, os separatistas perderiam a maioria absoluta, passando de 70 para 66 deputados.

Além disso, também cresceria o desconforto de seus militantes, já indignados com a prisão de Junqueras e outros líderes que eles consideram “prisioneiros políticos”.

Em outras palavras, uma estratégia de “confronto” e “escândalo”, segundo Arenas.

A outra opção para Puigdemont é permanecer na Bélgica, renunciar ao seu assento e continuar reivindicando-se como “presidente no exílio”.

Os outros prisioneiros poderiam ceder seus assentos aos seguintes da lista, e um governo poderia ser formado, o que acabaria com a tutela de Madrid.

– Outra tentativa de secessão? –

Não há certezas se os separatistas vão retomar a luta pela independência. Nenhum partido descartou essa opção claramente durante a campanha, embora as duas grandes listas secessionistas tenham se distanciado de uma via unilateral.

Para Inés Arrimadas, candidata do Cidadãos na Catalunha, a divisão da região não lhes permite fazê-lo.

“Se o processo de independência não tinha sentido ontem, hoje faz menos sentido ainda”, afirmou nesta sexta-feira.

Prevê-se novas pressões para forçar uma negociação entre Madrid e os independentistas, embora o chefe de governo, Mariano Rajoy, tenha rejeitado nesta sexta-feira o pedido para uma reunião de Puigdemont.

– Consequências económicas –

A turbulência dos últimos meses impactou o dinamismo da economia catalã: o turismo desacelerou, bem como a criação de emprego e o consumo, e mais de 3.100 empresas mudaram sua sede da Catalunha.

“Esperamos que as perspectivas económicas da região continuem a deteriorar-se, com repercussões para a economia nacional, a menos que seja compensada pelo crescimento de outras regiões”, aponta a agência financeira Moody’s.

“Ninguém vai investir na Catalunha até que a situação seja esclarecida”, acrescentou o economista José Carlos Díez.

– Rajoy prejudicado –

O grande perdedor das eleições foi o Partido Popular (PP) do chefe do governo conservador Mariano Rajoy, que ficou em último lugar e passou de onze para três deputados.

Sua popularidade sempre foi baixa na Catalunha, mas a vitória do Cidadãos na região poderia afectá-lo a nível nacional, uma vez que o partido de centro-direita busca roubar-lhe votos, especialmente entre os eleitores mais jovens.

“A vitória do Cidadãos na Catalunha provavelmente dará ao partido um impulso adicional nas pesquisas nacionais”, disse Antonio Barroso, vice-director do instituto de pesquisas Teneo Intelligence.

Na sexta-feira, Rajoy descartou convocar eleições antecipadas após os fracos resultados de seu partido. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »