Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Aprovados 2,3 milhões de euros para conclusão de Escola Portuguesa de Cabo Verde

O Governo português aprovou uma verba de 2,3 milhões de euros para a construção, em três anos, das infraestruturas necessárias para alargar até ao 12.º ano o ensino na Escola Portuguesa de Cabo Verde, disse à Lusa a diretora.

A informação foi avançada por Suzana Maximiano, na sequência da publicação em Diário da República, na quarta-feira, da portaria que autoriza a disponibilização da verba.

Localizada na cidade da Praia, a Escola Portuguesa de Cabo Verde abriu no ano letivo 2016/2017 com duas turmas do pré-escolar e uma turma do 1.º e 2.º anos do primeiro ciclo, num total de 22 alunos.

Neste ano letivo, frequentam a escola 210 alunos na educação pré-escolar, 1.º, 2.º e 3.º anos do primeiro ciclo.

“Pretendendo-se alargar a frequência da escola a outros níveis e ciclos de ensino, importa garantir a construção faseada, ao longo de três anos, das infraestruturas necessárias a albergar alunos do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e, ainda, do ensino secundário”, adianta a portaria conjunta dos ministérios das Finanças e Educação.

A portaria estipula por isso, a disponibilização de uma verba de 2.320.000,00 euros, para o alargamento da escola em três fases (2018, 2019 e 2020), o que irá permitir acolher alunos até ao 12.º ano de escolaridade.

Em declarações à agência Lusa, a diretora da escola, Suzana Maximiano, mostrou-se satisfeita com a aprovação da verba, assinalando que se trata da “concretização da promessa feita pelo primeiro-ministro, António Costa, aquando da inauguração”.

“A Escola Portuguesa de Cabo Verde poderá, assim, assegurar aos seus alunos a continuidade curricular, prevendo-se no próximo ano letivo a abertura do 4.º ano de escolaridade, em 2019/2020 iniciar o 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e em 2020/2021 possibilitar o acesso ao ensino secundário”, disse.

Para Suzana Maximiano, com esta medida será possível “completar o projeto já iniciado e dar continuidade ao sonho de décadas, acalentado por portugueses e cabo-verdianos”.

Construída em tempo recorde, a Escola Portuguesa de Cabo Verde, arrancou com as aulas a 14 de novembro do ano passado, num edifício praticamente na estrutura, sem água e sem eletricidade.

Foi oficialmente inaugurada em fevereiro pelo primeiro-ministro português, António Costa, no âmbito da sua deslocação a Cabo Verde para a quarta cimeira bilateral entre os dois países, com a primeira fase do projeto concluída e a funcionar em pleno.

Atualmente, está em construção o pavilhão polidesportivo, que irá permitir aos alunos ter aulas de educação física num espaço próprio. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »