Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Redução de regalias governamentais provoca reacções diferentes (áudio)

“Ao apertar o cinto pode estar a furar-se a barriga”, diz analista. Mas outros defendem corte total dos subsídios

A decisão do governo de João Lourenço de suspender ou reduzir regalias a detentores de cargos públicos está a a provocar apoio entre a população na sua generalidade mas alguns avisam que “ao apertar o cinto pode estar-se a furar a barriga”.

A medida inserida no OGE para 2018 prevê a suspensão da atribuição, em 2018, de subsídios de renda de casa, de manutenção de residência e de reinstalação para todos os beneficiários.

A proposta prevê ainda a suspensão da atribuição de veículos do estado para apoio à residência aos titulares de cargos políticos, magistrados e outros beneficiários, a redução para dois no número de empregados domésticos para titulares de cargos políticos, magistrados e outros.

É também reduzida as classes dos bilhetes de viagem dos titulares de cargos políticos, magistrados, deputados e respetivos cônjuges, da 1.ª classe para a classe executiva e, dos titulares de cargos de direção e chefia, da classe executiva para a classe económica

O economista Faustino Mumbica apoia a medida apesar de considerar que a mesma peca por vir tarde e por ser apenas parcial.

As regalias, disse, “é uma das regalias que onerava sobre maneira os cofres do estado”.

Mumbica disse que deveria haver um corte total nessas regalias e dar aos beneficiários um salários que lhes permita serem ele próprios a decidir como gastar esse dinheiro.

“Penso ser importante que o estado pague um salario condigno e estas pessoas com este salario disciplinarem-se, e saberem usar para o seu proprio beneficio”, disse

Mas José Severino, presidente da Associacao Industrial Angolana (AIA) pediu ponderação na aplicação desse tipo de medidas, afirmando que a sua aplicação poderá resultar numa súbita descida do nível de vida das pessoas afectadas.

O estado não pode agora ” por uma medida arbitraria colocar estas pessoas que serviram o estado durante anos e anos numa situação confrangedora”. “Tem que haver aqui uma análise profunda e ponderada do ministério das financas antes de implementar estas medidas e saber o impacto que isto pode ter sobre as pessoas”, afirmou.

Opinião semelhante é a de João Lukombo Zatuzola que disse que o governo deveria encontrar um meio termo que não prejudique estes servidores públicos nem o objectivo do estado.

“Se o governo por uma questão de racionalizar despesa obrigar as pessoas a apertar o cinto receio que de tanto apertar o cinto o cidadão acaba por furar a barriga”, disse.

“Deve-se sim cortar gorduras mas ‘e preciso que o governo encontre um meio termo que ao mesmo tempo racionalize recursos e não submeta estas pessoas à falta de dignidade no exercício de sua actividade”, acrescentou. (Voa)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »