Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Em 2017, foram mortos 65 jornalistas em todo o mundo

Sessenta e cinco jornalistas foram mortos este ano em todo o mundo, incluindo 50 profissionais, sete “jornalistas-cidadãos” (‘bloggers’) e oito “colaboradores” dos ‘media’, segundo o relatório anual da Repórteres Sem Fronteiras (RSF) hoje divulgado.

O balanço de 2017 torna-o no ano menos mortífero em 14 anos para os jornalistas profissionais, observou a organização não-governamental com sede em Paris.

Dos 65 jornalistas (profissionais e não-profissionais) mortos desde o início do ano, 39 foram assassinados ou deliberadamente atacados e 26 morreram no exercício das suas funções.

À semelhança do ano passado, a Síria foi o país mais mortífero para os jornalistas, com o registo de 12 mortes, seguindo-se o México (11), Afeganistão (nove), Iraque (oito) e Filipinas (quatro).

Se menos profissionais da comunicação social foram mortos em todo o mundo em 2017 comparativamente ao ano passado (79 mortos) tal deve-se “à crescente tomada de consciência da necessidade de melhor proteger os jornalistas e à multiplicação de campanhas lançadas por organizações internacionais e pelos próprios ‘media’, indicou a RSF.

Mas também ao facto de “os países que se tornaram muito perigosos se terem esvaziado de jornalistas”, de acordo com a Repórteres Sem Fronteiras.

“É o caso da Síria, do Iraque, do Iémen, da Líbia, onde se verifica uma hemorragia da profissão”, lamentou a RSF.

Se os conflitos armados colocam em perigo a vida dos jornalistas que fazem a cobertura das guerras, em países como o México “os cartéis e os políticos locais fazem reinar o terror”, o que também obriga os jornalistas “a deixarem o seu país ou a sua profissão”.

“O México é o país em paz mais perigoso do mundo para jornalistas”, sublinhou a RSF no relatório anual. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »