Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Catalunha: uma campanha dividida para as eleições regionais

O desafio independentista catalão saldou-se na aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola e na convocatória de eleições regionais, as terceiras em cinco…

O desafio independentista catalão saldou-se na aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola e na convocatória de eleições regionais, as terceiras em cinco anos.

Um contexto complexo conduziu a uma campanha eleitoral fora do comum com Carles Puigdemont – Presidente exonerado do governo catalão e cabeça de lista do “Juntos pela Catalunha” – no exílio em Bruxelas e o antigo vice-presidente e líder do partido Esquerda Republicana da Catalunha, Oriol Junqueras, na prisão.

O partido de Puigdemont reclama ser o governo legítimo da Catalunha.

As explicações de Josep Rull, ex-conselheiro do Território e Sustentabilidade , recém-saído da prisão mediante o pagamento de uma fiança de cem mil euros: “O nosso objetivo é restituir a normalidade democrática na Catalunha, o que significa restabelecer o governo ‘legítimo com o Presidente Puigdemont à frente.’ Queremos que os presos políticos sejam libertados. Também queremos que o Presidente Puigdemont e outros elementos do governo no exílio regressem à Catalunha.”

A situação também provocou danos colaterais no movimento independentista. Continuam a ter o mesmo projeto político? Unilateralismo? Quem vai governar se o bloco independentista triunfar? Puigdemont ou Junqueras?

O ex-presidente Puigdemont insiste em fazer da região um Estado independente. O antigo aliado Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) sugere que o partido se deve concentrar antes na política. Sondagens recentes mostram que o ERC conquista a maioria dos votos no bloco separatista.

Por outro lado, o chamado bloco constitucional, o braço catalão dos socialistas de Espanha, poderia chegar aos 14,3% dos votos, o que poderia garantir até 20 assentos.

O líder do partido, Miquel Iceta, centrou a campanha na criação de emprego e no crescimento económico. Os socialistas acreditam no que chamaram de “terceira via” para lidar com o “problema catalão.”

O Partido Socialista Catalão (PSC) está contra a independência, mas apoia os argumentos de um maior autogoverno e de autonomia fiscal para a Catalunha.

Miquel Iceta, primeiro secretário do PSC, propõe uma ampla reforma constitucional para outorgar à Catalunha uma melhor posição no seio de uma Espanha verdadeiramente federal.

“Há uma terceira via que é a via da reconciliação. A via do federalismo que não quer a rutura com Espanha, mas que entende que deve haver um melhor financiamento e autogoverno”, sublinha Eva Granados, do Partido Socialista Catalão.

O federalismo não consta do programa do Partido Popular da Catalunha (PPC). O braço catalão do partido do Presidente do Governo de Espanha, Mariano Rajoy, insiste, acima de tudo, na unidade do país.

O PP catalão de Xavier García Albiol está a perder terreno para o Ciudadanos de Inés Arrimadas.

Numa campanha altamente polarizada entre a independência e a defesa da unidade, alguns partidos tentam por fim ao duelo. A maioria dos cidadãos votará tendo em conta o projeto político dos partidos na relação com Madrid.

A versão catalã do Podemos, Catalunya en Comú-Podem, centra-se na agenda social e ao mesmo tempo mostra uma postura pouco clara sobre a independência.

A ambiguidade custará provavelmente alguns votos. No entanto, poderão vir a ter a chave da governação.

“Depois das eleições não negociaremos com os que defendem o unilateralismo ou que continuam a defender o artigo 155. Faremos acordos baseados no progresso, numa agenda de esquerda”, diz Marta Ribas, da coligação Catalunya en Comú-Podem.

O Ciudadanos lidera a campanha pró-unidade. A candidata à presidência, Inés Arrimadas, adotou uma postura firme contra o ímpeto secessionista convencendo eleitores que anseiam por uma resolução da crise que deixou a região despojada de poderes autónomos.

Olhando para o contexto parece ser algo difícil de conseguir. Não chegar a um acordo entre todos os partidos catalães significa um bloqueio político e novas eleições.

O Ciudadanos também precisará de apoio para formar Governo.

“Se conseguirmos derrotar o processo separatista caminharemos para uma nova era de esperança e de reconciliação. Caso contrário continuaremos num impasse. Penso que a sociedade catalã não pode aguentar mais quatro anos de divisão”, refere Albert Rivera, presidente do Ciudadanos.

O escrutínio, cujo objetivo é sarar as feridas e terminar com o bloqueio na sociedade catalã, pode traduzir-se num parlamento ainda mais fragmentado.

Cristina Giner, euronews – As sondagens vaticinam uma elevada participação e uma margem de diferença estreita entre os partidos e favor do projeto independentista e os que estão contra. Os pactos e as negociações serão vitais para poder investir o próximo Presidente da Generalitat.” (Euronews)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »