Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Putin diz que ligação Rússia-EUA na eleição de Trump é “uma invenção”

O presidente da Rússia acusou os opositores do seu homólogo norte-americano de alimentarem os rumores numa tentativa de descredibilizar Trump.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, considerou esta quinta-feira os alegados contactos entre membros do seu governo e elementos da candidatura presidencial de Donald Trump em 2016 uma “invenção”.

Na sua sessão anual de perguntas e respostas, uma tradição que cumpriu hoje no Kremlin pelo 12º ano consecutivo e na qual enfrenta durante várias horas questões de natureza nacional e internacional, o líder russo não deixou de apontar o dedo aos opositores do atual presidente dos Estados Unidos e falou em “certas restrições” em torno de Trump que têm evitado a melhoria das relações entre os dois países.

“Tudo isso foi criado pelas pessoas que se opõem a Trump para retirarem legitimidade ao seu trabalho. Tenho a certeza de que, finalmente, poderemos normalizar a nossa relação, no interesses das pessoas americanas e russas e devemos desenvolvê-lo lidando com as ameaças comuns que enfrentamos”, afirmou.

Aida em relação aos EUA, o presidente russo disse que “cabe aos americanos” avaliar o mandato do seu homólogo, mas defendeu a existência de “êxitos claros” de Trump, nomeadamente a nível económico, com o “crescimento a nível bolsista”, frisando que os investidores e os mercados confiam na sua política.

Igualmente em foco na agenda internacional esteve o dossier da Ucrânia, em que Vladimir Putin não hesitou em responsabilizar o governo de Kiev pelo impasse na região. Para o presidente russo, os dois países “representam um único povo” e alertou para o “risco de um massacre” por parte dos nacionalistas ucranianos, criticando as autoridades do país vizinho por não chegarem a um entendimento com os rebeldes.

“A eficácia é muito baixa, claro. E, na minha opinião, é por causa da posição não construtiva das autoridades de Kyiv. Eles não têm intenção de implementar os acordos de Minsk ou de iniciar o processo político real, que pode ser finalizado pelo acordo sobre um estatuto especial para Donbass”, explicou.

Paralelamente, Vladimir Putin defendeu o papel russo na Síria, a continuidade das boas relações com a China e, sobretudo, uma estabilização no problema em torno da Coreia do Norte. Em relação a este tema, Putin acusou os EUA de também terem provocado no passado os norte-coreanos e assegurou que um eventual ataque “seria catastrófico”, salientando a importância de de evitar uma nova escalada da tensão entre Donald Trump e Kim Jong-Un.

Já no domínio interno, o líder russo confirmou que avança como candidato independente às eleições de março de 2018, nas quais procura o seu quarto mandato, e deixou uma ‘farpa’ aos opositores, considerando que estes devem ser mais competentes e focar-se nas reais “preocupações do povo russo”. Recorde-se que as últimas sondagens apontam para a sua reeleição, com cerca de 60 por cento dos votos.

A proximidade das eleições está também, no entender de Putin, ligada ao escândalo de doping que abalou o desporto russo e ditou a decisão do Comité Olímpico Internacional de banir o país dos próximos Jogos Olímpicos de Inverno. “Toda esta situação tem motivações políticas”, frisou, sem deixar de descredibilizar Grigory Rodchenko, o anterior líder da agência antidoping russa e principal testemunha no caso. Putin afirmou que este já teve no passado “problemas psicológicos e judiciais” e assumiu a sua nomeação para o cargo como um “erro”. Face a este tema, o presidente da Rússia assegurou também que vai agir judicialmente contra a decisão do COI.

Ainda nas questões de política nacional, Vladimir Putin definiu como prioridades para o novo mandato o desenvolvimento de infraestruturas, a saúde, a educação e a tecnologia.

Sobre o passado recente, o líder da Rússia enalteceu o que disse serem os progressos a nível económico, nomeadamente o recorde de exportações agrícolas, a baixa inflação, a forte procura interna e o aumento dos salários. (Euronews)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »