Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

PGR investiga alegado esquema de corrupção na Direcção de Pequenos Negócios do BPC

A Procuradoria-Geral da República (PGR) instaurou um inquérito para averiguar denúncias sobre a existência de um esquema de corrupção na Direcção de Pequenos Negócios, afecta ao Banco de Poupança e Crédito (BPC).

Segundo uma nota de imprensa divulgada hoje, 14, pela PGR, a instituição “tomou conhecimento, através das redes sociais, da existência de um esquema de corrupção que visa alguns funcionários da Direcção de Pequenos Negócios (DPN), afecta ao Banco de Poupança e Crédito (BPC)”.

A partir dessa denúncia pública, em que se alude à “cobrança ilegal de valores para o carregamento de cartões visa e transferências de divisas para o exterior do país”, a PGR instaurou um inquérito na DPN, “com a finalidade de aferir a veracidade dos factos e, em consequência, responsabilizar-se criminalmente os autores de tais práticas”

A PGR apela ainda “ao público em geral e às pessoas efectivamente lesadas” a que se dirijam à Direcção Nacional de Prevenção e Combate à Corrupção, localizada no 5.º andar do edifício principal do Palácio da Justiça, para “prestarem informações que permitam o esclarecimento dos factos e o consequente exercício da acção penal”.

Nos termos da denúncia partilhada nas redes sociais, os clientes que pretendem enviar valores para o exterior ou para carregamento de cartões devem pagar a diferença entre o valor do dólar no mercado formal e informal.

“Este esquema de corrupção está a fazer com que muita gente séria e com muitos problemas de Saúde, formação, férias e outros, não consigam de forma lícita efectuar as suas transferência ou carregamentos de cartões. Estes técnicos corruptos são protegidos pelos diretores da DPN”, apontam os denunciantes.

Ainda segundo a mesma denúncia, com os ganhos, os autores destas práticas “estão a comprar casas no exterior como em Angola”. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »