Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Guiné-Bissau reafirma reconhecimento dos Estados de Israel e Palestina

O Governo da Guiné-Bissau reafirmou, em comunicado de Conselho de Ministros, que mantêm o princípio de reconhecimento dos Estados de Israel e da Palestina e que vivam de forma pacífica.

A posição do executivo guineense está expressa no comunicado a que a Lusa teve hoje acesso e que dá conta das deliberações do Conselho de Ministros ordinário realizado na quarta-feira, em Bissau.

O documento sublinha que o Governo guineense analisou “o impacto” das declarações do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a transferência da embaixada daquele país para Jerusalém” e “as consequências que daí poderão advir” para o processo de paz no Médio Oriente.

A apreciação da situação foi feita entre o secretário de Estado guineense da cooperação, Dino Seidi, e pelo embaixador da Palestina em Bissau, destaca ainda o comunicado do Governo.

O Governo da Guiné-Bissau “reitera a sua solidariedade indefectível” para com o povo e o governo palestinianos e reafirma o princípio de dois Estados (Israel e Palestina) e da coexistência pacífica, lê-se ainda no comunicado do Conselho de Ministros.

Trump anunciou na passada quarta-feira (06 de dezembro) que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como capital de Israel e que vão transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa a parte oriental da cidade desde 1967 e declarou, em 1980, toda a Jerusalém como a sua capital indivisa.

Os palestinianos querem fazer de Jerusalém oriental a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Jeruslalém é considerada uma cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »