Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Parlamento moçambicano aprova OE para 2018 com votos da Frelimo

A Assembleia da República de Moçambique aprovou, na generalidade, o Orçamento do Estado (OE) para 2018, com 137 votos a favor da bancada maioritária da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo). A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido de oposição, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) votaram contra, com 86 votos no total.

Para 2018, o OE tem uma despesa de 302,9 mil milhões de meticais (4,2 mil milhões de euros) com um défice de 80,1 mil milhões de meticais (1,1 mil milhões de euros), corresponde a 8,1% do PIB – menos 2,6% que a projeção para 2017. Para Venâncio Mondlane, deputado do MDM, a projeção do Governo contida no OE de um crescimento económico de 5,3% é ilusória.

“O governador do Banco de Moçambique já havia dito que o próximo ano será pior que este. É muito otimismo acreditar que vamos atingir essa cifra”, declarou o deputado do MDM, acrescentando que o OE aprovado não responde aos problemas básicos do povo moçambicano.

Por sua vez, António Timba, deputado da Renamo, disse que a sua bancada votou contra porque, com esta proposta, o Governo “ataca os pobres que ele mesmo criou”, considerando que o executivo no poder continua a priorizar os setores de “opressão em detrimento de setores sociais”.

“Os moçambicanos terão um ano ainda mais complicado. Trata-se de um orçamento de fome e de vergonha”, observou o deputado do maior partido da oposição. Em defesa do documento, o deputado da Frelimo, Abdul Issufo, disse que o documento vai assegurar a sustentabilidade orçamental, priorizando a construção de infraestruturas básicas.

“Distanciamos-mos daqueles que ano após ano reprovam a proposta do OE, apesar de terem benefícios que advém destes instrumentos”, declarou o deputado do partido no poder.

Além de prever um crescimento do PIB de 5,3%, o governo espera que a inflação se situe nos 11,9% em 2018, contra 18% previstos para o ano em curso, tendência com a qual se prevê uma descida das taxas de juro e consequente melhoria no acesso ao crédito – a taxa diretora (prime rate) do Banco de Moçambique está em 27,25%. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »