Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Lei obriga alguns alimentos a serem fortificados em Moçambique, mas estudo revela falhas

A maioria dos produtos alimentares à venda em Moçambique que por lei deviam ser fortificados, ou não o são ou carecem de identificação, revela um estudo do Observatório do Mercado.

Para combater a desnutrição e outros problemas, o Estado moçambicano decidiu que a fortificação de alimentos deve ser obrigatória nas farinhas de trigo e de milho, sal, óleo e açúcar.

No entanto, em 760 estabelecimentos comerciais visitados, só 39,4% dos produtos têm rotulagem que indica serem fortificados, enquanto 41% indica não o ser e 19% são produtos avulso, sem informações.

O açúcar e a farinha de trigo são os produtos comercializados com baixos índices de fortificação em quase todos os mercados abrangidos pela pesquisa, refere-se no documento.

O estudo do Observatório do Mercado é uma iniciativa da ProConsumers – Associação para o Estudo e Defesa do Consumidor, com o apoio da Global Alliance for Improved Nutrition (GAIN) com apoio financeiro da USAID – Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional e a Fundação Bill e Melinda Gates.

Em Maputo, há mais de 50% de produtos fortificados no Mercado Central, no Mercado de Matendene e no Mercado do Povo, mas os produtos não fortificados são os mais comuns à medida que os estabelecimentos estão mais longe da cidade.

De uma forma geral, a disponibilidade de produtos fortificados na província de Maputo está abaixo de 50%. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »