Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Corrupção propicia fuga ao fisco

O economista angolano Carlos Rosado de Carvalho alertou hoje (segunda-feira), em Luanda, que a corrupção incentiva a fuga ao fisco e desprestigia a classe política, havendo, por isso, necessidade de combatê-la a todos os níveis, com acções concretas.

O economista dissertou sobre “a corrupção, nepotismo, acumulação primitiva de capital e economia”, no seminário de capacitação sobre a prevenção dos tipos de crimes a que estão sujeitos os titulares de cargos públicos”, promovido pelo Grupo Parlamentar do MPLA e aberto pelo Presidente do partido, José Eduardo dos Santos.

Nesta vertente, Carlos de Carvalho definiu a corrupção como o abuso do poder público para a obtenção de benefícios privados, principalmente em actividades de monopólio estatal e poder discricionário do Estado.

Apontou como consequência desta, o descaminho na alocação de recursos que afectam a qualidade de serviço prestado, modificando as decisões das empresas e prejudicando a maioria dos cidadãos em favor de uma minoria, disposta a apagar por privilégios e a promover a desigualdade.

Sem receitas, o Estado é obrigado a endividar-se, explicou o economista, para quem a lei angolana permite que os políticos tenham negócios.

Por seu turno, o economista Alves da Rocha, que apresentou o tema “Finanças Públicas”, falou das regras de organização do orçamento, detalhando a unidade, a especificação, o orçamento bruto, a universalidade e a não consignação.

Aconselhou o Estado a respeitar o que está plasmado no orçamento, na sua arrecadação de receitas.

“Tudo isto depende da Lei aprovada pelo Parlamento e promulgada pelo Presidente da República, ou seja prende-se com o cumprimento da Lei pelo Governo e pela correspondente fiscalização, função da estrita competência do Parlamento e do Tribunal de Contas”, argumentou.

Para si, a fiscalização do Tribunal de Contas incide sobre a legalidade dos documentos, tais como contratos, decretos, portarias e despachos que envolvem despesas para o Estado, assim como a cabimento destas nos créditos orçamentais.

Seminário

O seminário sobre “a prevenção dos tipos de crimes a que estão sujeitos os titulares de cargos públicos” contribui para a defesa dos interesses do povo, porquanto desperta para uma gestão consciente e transparente dos fundos do Estado e melhoria das condições da população.

Essa tese foi defendida por deputados a Assembleia Nacional, a margem do referido seminário de capacitação.

Em declarações à Angop, o deputado João Pinto afirmou que a iniciativa contribui para a educação e consciencialização para uma gestão que visa corrigir o que está mal e melhorar o que está bem, em todos os domínios.

Corroborando da ideia, o deputado João Diogo Gaspar disse que a formação trará benefícios para a sociedade, mostra que o MPLA está atento aos problemas dos militantes, em particular, e dos angolanos, no geral, e será seguida de sanções para aqueles que infringirem questões ligadas a gestão pública.

Por outro lado, congratulou-se com as medidas tomadas pelo Presidente da República, João Lourenço, no que tange ao combate a corrupção e ao nepotismo.

O deputado Monteiro Pinto “Kapunga” informou que o objectivo é a redução deste mal que enferma não só Angola, mas muitos países, mediante a capacitação de quadros e dirigentes.

Referiu que os deputados vão contribuir nesse assunto mediante a aprovação de diplomas legais, para uma Angola melhor e livre da corrupção. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »