- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Regiões Blocos operatórios do Bungo paralisados por falta de cirurgião

Blocos operatórios do Bungo paralisados por falta de cirurgião

A falta de um médico-cirurgião causou a paralisação desde 2014, no município do Bungo, 81 quilómetros a norte da cidade do Uíge, dos dois blocos operatórios existentes no Hospital Municipal da circunscrição.

Depois da inauguração da unidade sanitária a 12 de Março de 2012, os blocos operatórios do Hospital Municipal do Bungo, ainda funcionaram sem constrangimentos, mas a saída do único cirurgião deste hospital para outras unidades sanitárias da província, paralisou os mesmos serviços, segundo avançou hoje, segunda-feira, à Angop, o director da Saúde no Bungo, Paulo Samuel.

“Existem dois blocos operatórios,devidamente equipados com material de ponta, mas que não funcionam por falta de um médico- cirurgião, facto que leva os doentes a serem transferidos com um risco eminente para o Hospital Provincial, a cerca de 81 quilómetros”, explicou.

Os blocos operatórios ainda chegaram de funcionar por alguns meses, depois da sua inauguração, enquanto a área de estomatologia nunca funcionou,por falta de técnicos especializados para o efeito, assim como para o manuseamento dos referidos equipamentos existentes.

“Há poucos dias, a directora provincial da saúde enviou para este hospital uma equipa de inspecção que se inteirou do estado dos equipamentos encontrados nos blocos operatórios, dando a entender que dentro em breve poderemos ter um cirurgião no hospital municipal local”, lembrou.

Além dos blocos operatórios e estomatologia, o Hospital Municipal do Bungo, igualmente oferece serviços de ecografia, vacinação, Rx, maternidade, banco de urgências, medicinas, farmácia, laboratório de análises clinicas, cozinha, área de lazer, armazém e outros.

Construído numa área de 200 metros quadrados, o Hospital Municipal do Bungo possui uma capacidade para 70 camas, implementado no quadro da melhoria dos serviços sanitários da circunscrição, para servir os 39.030 habitantes distribuídos em 60 aldeias e 12 regedorias. (Angop)

- Publicidade -
- Publicidade -

“O Mali está sob o controlo profundamente cerrado das Forças Armadas”

O Presidente de transição do Mali, nos próximos 18 meses, vai ser o coronel na reserva, Bah N’Daw, auxiliado pelo vice-presidente que é o...
- Publicidade -

Dois policiais são baleados durante protestos em Louisville, nos EUA

Nesta quarta-feira (23), dois policiais foram baleados durante protestos em andamento em Louisville, nos Estados Unidos. As manifestações ocorrem após condenação de apenas um...

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie McCann

O caso Maddie conheceu novos desenvolvimentos no início de Junho, com a identificação de Christian B., 43 anos, um pedófilo reincidente já condenado por...

Chuva deixa destruição na Guiné-Bissau

As chuvas torrenciais que se registaram, nos últimos tempos, na Guiné-Bissau, deixaram marcas de destruição. Da capital, Bissau, ao interior do país, cerca de mil...

Notícias relacionadas

“O Mali está sob o controlo profundamente cerrado das Forças Armadas”

O Presidente de transição do Mali, nos próximos 18 meses, vai ser o coronel na reserva, Bah N’Daw, auxiliado pelo vice-presidente que é o...

Dois policiais são baleados durante protestos em Louisville, nos EUA

Nesta quarta-feira (23), dois policiais foram baleados durante protestos em andamento em Louisville, nos Estados Unidos. As manifestações ocorrem após condenação de apenas um...

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie McCann

O caso Maddie conheceu novos desenvolvimentos no início de Junho, com a identificação de Christian B., 43 anos, um pedófilo reincidente já condenado por...

Chuva deixa destruição na Guiné-Bissau

As chuvas torrenciais que se registaram, nos últimos tempos, na Guiné-Bissau, deixaram marcas de destruição. Da capital, Bissau, ao interior do país, cerca de mil...

Portugal, país euroafricano

Portugal é há muito um país euroafricano não assumido. Vozes como a da historiadora e professora Isabel de Castro Henriques, que estudam as marcas...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.