Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

‘O inimigo do meu inimigo é meu amigo’: Fatah e Hamas unidos contra os EUA

Os movimentos palestinianos Hamas e Fatah se uniram para se opor à decisão dos EUA em declarar Jerusalém a capital de Israel, disse à Sputnik o membro da Organização de Libertação da Palestina, Wasel Abu Yousef.

“Estamos unidos agora para enfrentar o governo dos ocupantes e a decisão dos EUA em relação a Jerusalém. Confirmamos, enquanto movimentos palestinianos, que Jerusalém é a capital interna da Palestina”, disse o funcionário.

Em resposta à decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, o Hamas pediu uma “insurreição” contra Israel.

Ao mesmo tempo, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, teria decidido não realizar uma reunião planeada com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, para protestar contra a mudança de Trump.

Em Outubro, os movimentos palestinianos rivais Hamas, uma organização fundamentalista islâmica Palestina, e Fatah, o partido político palestino dominante, iniciaram uma nova rodada de negociações de reconciliação sob a mediação das autoridades egípcias. No dia seguinte, os movimentos assinaram um acordo prometendo uma nova era da unidade Palestina.

Posição da Rússia no conflito Israel-palestino

“O presidente russo [Vladimir Putin] expressou seu ponto de vista muito claro, dizendo que as resoluções internacionais e o direito internacional são a base para a resolução do conflito na região. Também acreditamos que a Rússia e o presidente Putin são amigos do povo palestino e são sempre do lado das resoluções internacionais legítimas e do direito internacional”, disse Wasel Abu Yousef.

O membro do Comitê Executivo da OLP convidou todos os países amigáveis a tomar medidas que ajudem a resolver a situação em torno de Jerusalém.

A decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e mover a embaixada de Tel Aviv causou preocupação em vários países ao redor do mundo. Após o anúncio feito por Donald Trump, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a decisão poderia complicar a situação na região e pode levar a uma divisão na comunidade internacional.

Anteriormente, Putin e o líder palestino Mahmoud Abbas discutiram o processo de paz no Oriente Médio, com o presidente russo expressando apoio à retomada imediata das negociações directas Israel-palestinas sobre todas as questões controversas, incluindo o status de Jerusalém. (Sputnik)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »