Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

“Nunca vi uma coligação assim, onde se ofendem tanto uns aos outros”

Pedro Santana Lopes disse esta sexta-feira que acredita “cada vez menos” que a legislatura se cumpra.

Na Trofa, para uma sessão de esclarecimento, o candidato à presidência do PSD salientou que “nunca” viu uma coligação como aquela que possibilitou uma solução de Governo à esquerda “onde se ofendem tanto uns aos outros”.

Confrontado com a exigência da líder do BE, Catarina Martins, feita na quinta-feira em Braga, para que o Governo “ponha na mesa” a renegociação da dívida, Pedro Santana Lopes afirmou que esse caminho seria “contraproducente” e que Portugal tem é que provar que cumpre os seus compromissos.

“Devo dizer-lhe que eu nunca vi uma coligação assim, onde se ofendem tanto uns aos outros. Dizer o que diz a líder do BE sobre o Partido Socialista é grave, que é por em causa a honra e integridade dos membros do Governo e isso, com toda a franqueza, ninguém gosta de ouvir”, afirmou Santana Lopes, referindo-se à acusação de Catarina Martins que afirmou que o PS é “permeável” aos interesses económicos.

“Há ali um conceito de relacionamento entre estes dois partidos que me faz confusão e que me leva a convencer-me cada vez mais de que a preocupação é a sobrevivência no poder seja a que custo for mas isso não dura muito tempo”, disse.

Segundo o candidato à liderança do PSD, “normalmente a desagregação quando é assim é mais rápida do que as pessoas pensam, apesar de o PPD/PSD não ter interesse rigorosamente nenhum em que a legislatura não cumpra o prazo previsto”. “Mas eu cada vez acredito menos nisso”, finalizou.

Sobre a renegociação da dívida pública, Santana Lopes afirmou que não é esse o caminho que defende: “Temos que continuar a dar provas de que cumprimos, de que conseguimos fazer a recuperação (…) e não tratarmos do assunto sozinhos, isso assustaria logo os mercados e levaria a subir as nossas taxas de juro, isso seria muito contraproducente” defendeu.

Para Santana Lopes as preocupações do Governo têm que ser outras. “Temos é que mostrar que somos cumpridores, que fazemos bem o nosso trabalho e que a economia cresce, isso é que a maioria se devia preocupar e não tomar medidas que afugentem o investimento e diminuam o crescimento”, aconselhou. (TSF)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »