InicioDestaquesEnfermeiros de Luanda denunciam violação de decreto presidencial

Enfermeiros de Luanda denunciam violação de decreto presidencial

Os profissionais de enfermagem em Luanda denunciam que estão a ser pressionados pelos directores dos hospitais para voltarem a praticar actos médicos, em total violação ao decreto presidencial que estabelece os limites do exercício desta classe de profissionais em Angola.

Para falar sobre o assunto, o presidente da ordem dos enfermeiros, Paulo Luvualo, o secretário geral adjunto dos sindicato dos enfermeiros, António Afonso Kileba e a directora provincial da saúde, Rosa Bessa.

Os profissionais de enfermagem reivindicam, desde o ano de 2012, o
pagamento dos serviços prestados nas unidades sanitárias, nas ausências dos médicos.

Apesar de ilegal, este compromisso é o resultado do memorando assinado entre as partes, que serviu para autorizar os enfermeiros a fazer consultas e a prescrever receitas médicas.

O memorando em referência assumia o pagamento de retroactivos, de
subsídios de consulta e promoção nas carreiras, uma promessa que nunca
foi satisfeita.

Com a suspensão que está ser observada pelos enfermeiros, os
hospitais em Luanda estão a registar, nos últimos dias, muitas enchentes e as equipas médicas disponíveis não estão a ser capazes de suportar a demanda.

Sem garantir uma solução para este braço de ferro, o governo da província de Luanda anunciou, esta semana, o reforço de oitenta médicos e 25 licenciados em enfermagem, que começaram a ser distribuídos pelos hospitais da capital do pais.

António Afonso Kileba, secretário geral adjunto do sindicato dos enfermeiros, confirma que os seus filiados estão a ser coagidos a fazer consultas. A continuar este comportamento dos gestores dos hospistais, o sindicalista adverte, que depois das suspensão, o próximo passo pode ser a greve interpolada. (Voa)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.