Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Boxe: Presidente da Faboxe discorda da criação de organismo profissional autónomo

O presidente da Federação Angolana de Boxe (Faboxe), Carlos Luís, manifestou hoje, em Luanda, a sua indignação pelo facto de alguns agentes projectarem a criação de um organismo profissional autónomo, contrariando o disposto na legislação desportiva vigente.

Em reacção à intenção da criação do futuro organismo para coordenar as acções do extra amador, por parte de alguns agentes da modalidade, Carlos Luís referiu à Angop que a tutela da modalidade, quer amador quer profissional, é da sua instituição, sendo que qualquer outro proponente que tenciona fazê-lo, independentemente, estaria a infringir a lei.

“Tenho conhecimento que algumas pessoas pretendem criar uma associação sem vínculo ao órgão reitor da modalidade. A federação não aprova nem concorda com a iniciativa. A lei prevê que o organismo autónomo do boxe profissional seja dependente da FABOXE. Por isso, caso queiram ser promotores do boxe profissional devem solicitar a inscrição na FABOXE, para a realização de eventos da especialidade”, explicou.

Por sua vez, o membro da comissão instaladora do futuro organismo profissional autónomo, o antigo pugilista Simão Muanda, anunciou estarem a trabalhar de momento na criação das associações provinciais de Luanda, Cabinda e Uíge, para posteriormente darem corpo à futura Associação Nacional de Boxe Profissional.

Apontando como previsão Janeiro de 2018, o ex-campeão da Região Austral de África (SADC) indica como objectivos da associação a dinamização do profissionalismo no país, que considerou estar inactivo, preparação e projecção de pugilistas angolanos nas competições africanas e mundiais, bem como a classificação no ranking internacional.

Defendeu também a necessidade de um relacionamento harmonioso com a FABOXE, apesar da autonomia, em função do profissionalismo depender de atletas amadores em transição para outra fase da carreira desportiva, entre outras.

Enfatizou que o artigo 29º da Lei das Associações Desportivas prevê a criação de organismos autónomos para o desporto profissional, por isso apelou aos clubes maior aposta na formação de atletas para o boxe amador a fim de dar sustentabilidade ao profissionalismo.

“Ultimamente, temos visto que os clubes não apostam na formação; querem atletas feitos. Estamos a apelar que haja uma aposta na formação. Um atleta que não tenha uma boa formação e passagem pelo boxe amador tem poucas possibilidades de singrar no boxe profissional”, sustentou.

A Comissão Instaladora já efectuou uma visita de trabalho à África do Sul, em busca de parcerias com congéneres locais, e anunciou, para breve, a deslocação para a República Checa e Portugal com o mesmo objectivo.

Após concretização, poderão filiar-se na associação agentes do boxe profissional, como atletas, árbitros, treinadores, managers e promotores.

A legislação desportiva, no seu capítulo V (Desporto Profissional), artigo 29.º (Organismo Autónomo), prescreve que o Organismo Autónomo é o órgão da federação que exerce, por delegação desta, as competências relativas às competições de natureza profissional, nomeadamente:

Organizar e regulamentar as competições de natureza profissional, respeitando as regras técnicas definidas pelos competentes órgãos federativos nacionais e internacionais. Exercer, relativamente aos seus associados, as funções de controlo e supervisão que sejam estabelecidas na Lei ou nos respectivos estatutos e regulamentos.

Definir os pressupostos desportivos, financeiros e de organização de acesso às competições profissionais, bem como fiscalizar a sua execução pelas entidades nelas participantes. O organismo autónomo elabora e aprova os respectivos regulamentos de arbitragem e disciplina que submete à ratificação pela assembleia geral da federação.

O organismo autónomo é constituído pelo agrupamento de clubes e de sociedades desportivas profissionais, sob a forma de associação sem fins lucrativos, dotada de personalidade jurídica e autonomia administrativa, técnica e financeira.

Nas modalidades individuais, o organismo autónomo integra obrigatória e exclusivamente todos os praticantes desportivos profissionais. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »