- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade RDC dá ‘luz verde’ aos CFB

RDC dá ‘luz verde’ aos CFB

Presidente congolês deu garantias a Angola de que os Caminhos-de-Ferro de Benguela poderão transportar minério da RDC, já a partir deste mês. Atraso deve-se apenas à finalização de pequenas obras no troço, que passa pelo território da RDC.

O primeiro carregamento de manganês, oriundo da República Democrática do Congo (RDC), através do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), poderá já arrancar no próximo dia 14 de Dezembro, admitiu o presidente da RDC, Joseph Kabila, durante a visita que o ministro dos Transportes, Augusto Tomás, efectuou recentemente àquele país, revelou, ao VALOR, fonte da instituição angolana.

Em Julho deste ano, esta intenção já tinha sido anunciada pelo então administrador para a área técnica dos CFB, Luís Teixeira, tendo afirmado, em declarações à imprensa, que a empresa angolana passaria, num curto espaço de tempo, a transportar os produtos provenientes das minas de Catanga, na RDC, para serem escoados via Porto do Lobito.

A efectivação do processo estaria a depender de um acordo comercial entre os dois governos, algo que terá sido já dirimido no encontro que o ministro dos Transportes angolano manteve com o estadista congolês.

Augusto da Silva Tomás deslocou-se a Kinshasa, na qualidade de enviado especial do Presidente da República, João Lourenço, tendo sido recebido em audiência pelo chefe de Estado congolês, Joseph Kabila, a quem entregou uma missiva do homólogo angolano, inscrita no reforço da amizade e cooperação bilateral, com particular ênfase para a dinamização da ligação ferroviária entre ambos os países, mediante o uso do CFB.

Durante o encontro, o presidente congolês referiu que, numa primeira fase, parte do ramal que está mais próximo do seu território “está a beneficiar de pequenas intervenções, enquanto se trabalha, também, na recuperação da linha-férrea, por troços”.

Para o ministro dos Transportes angolano, o acordo assinado em Kinshasa entre o Caminho-de-Ferro de Benguela e a Sociedade Nacional dos Caminho-de-Ferro do Congo (SNCC) vai permitir que os dois povos tenham maiores benefícios económicos e financeiros e uma grande redução de custos para as empresas mineiras.

O Governo angolano já reabilitou 1.344 quilómetros de linha férrea no CFB, além de ter já construído 67 estações entre especiais, de primeira e de segunda classes. Foram também reabilitadas oficinas e adquirido material circulante, segundo dados oficiais.

Augusto Tomás fez saber igualmente, durante o encontro com o presidente Joseph Kabila, que foram já construídos três centros de formação profissional, “que podem também estar à disposição das autoridades congolesas e da SNCC”.

O acordo comercial entre o CFB e a SNCC estabelece os termos de utilização conjunta da linha férrea entre os dois países e foi assinado em Kinshasa a 15 de Novembro pelo presidente do conselho de administração interino do CFB, Luís Teixeira, e o director-geral da SNCC, Ilunga Ilunkamba, na presença de José Makila Sumanda, vice-primeiro ministro encarregado dos transportes e vias de comunicação da RDC, e de Augusto da Silva Tomás, ministro dos Transportes de Angola.

PONTO MAIS ALTO

O ponto mais alto na história da empresa do CFB, nos últimos anos, deu-se a 14 de Fevereiro de 2015, quando o ex-chefe do Estado angolano, José Eduardo dos Santos, na presença de Joseph Kabila, pela RDC, e Edgar Chagwa Lungu, pela Zâmbia, descerrou a placa de inauguração da estação do Luau, pondo fim a uma paralisação de cerca de 32 anos da circulação do comboio nesta região.

A viagem inaugural do comboio do CFB até à vila na fronteira com a RDC ocorre, no entanto, neste período, numa viagem que durou cerca de 30 horas, para percorrer mais de 1.300 quilómetros.

A obra da infra-estrutura, concluída em 2014, esteve a cargo da empresa China Railway Construction Corporation (CRCC), tendo implicado um investimento avaliado 1,83 mil milhões de dólares.

A construção desta linha iniciou-se a 01 de Março de 1903, durante a colonização portuguesa, e ficou concluída cerca de 26 anos depois. Contudo, a guerra civil que se registou provocou a destruição das infra-estruturas, com o comboio a deixar de chegar à fronteira em 1983.

A ligação entre o Lobito e Luena, a capital do Moxico, foi restabelecida em 2012, sendo o transporte de passageiros sido alargado até ao Luau.

Esta linha deverá garantir o transporte anual de 20 milhões de toneladas de carga e de quatro milhões de passageiros, segundo os dados oficiais. Posteriormente, deverá avançar também a ligação férrea com a rede da RDC, sendo conhecido um projecto na Zâmbia que permitirá a interligação com Moçambique.

PAPEL DO GOVERNO CONGOLÊS

Para o economista António da Conceição, para viabilizar economicamente todo o corredor infra-estruturado de desenvolvimento do Lobito, caberá agora ao governo congolês estar “mais galvanizado e motivado” para avançar com o projecto de reabilitação dos 427 quilómetros do troço que compõe a parte congolesa do ramal.

Com a assinatura do acordo entre os dois países, o economista espera uma “diminuição significativa” dos custos de logística dos países e regiões encravadas da África Austral, tanto nas importações como nas exportações de mercadorias. (Valor Económico)

- Publicidade -
- Publicidade -

Cientistas russos descobrem antibiótico natural revolucionário

Cientistas russos foram os primeiros a encontrar um antibiótico natural universal capaz de superar a resistência de patógenos a medicamentos. De acordo com os autores...
- Publicidade -

Museu dos Reis do Kongo encerra para manutenção do acervo

O museu dos Reis do Kongo, localizado na cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire, vai, a partir desta quarta-feira (23), encerrar...

Faz 20 anos que José Mourinho se estreou no banco de suplentes como treinador principal

Treinador português conquistou até agora 25 títulos, entre eles duas ligas dos campeões e duas ligas europas. Faz esta quarta-feira 20 anos desde que José...

Ministro rejeita ‘herdar’ inquérito de Bolsonaro

Responsável pela decisão que paralisou a investigação sobre suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)...

Notícias relacionadas

Cientistas russos descobrem antibiótico natural revolucionário

Cientistas russos foram os primeiros a encontrar um antibiótico natural universal capaz de superar a resistência de patógenos a medicamentos. De acordo com os autores...

Museu dos Reis do Kongo encerra para manutenção do acervo

O museu dos Reis do Kongo, localizado na cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire, vai, a partir desta quarta-feira (23), encerrar...

Faz 20 anos que José Mourinho se estreou no banco de suplentes como treinador principal

Treinador português conquistou até agora 25 títulos, entre eles duas ligas dos campeões e duas ligas europas. Faz esta quarta-feira 20 anos desde que José...

Ministro rejeita ‘herdar’ inquérito de Bolsonaro

Responsável pela decisão que paralisou a investigação sobre suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)...

Manuel Nunes Júnior: “Ajustamento cambial é medida de grande alcance”

O ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, considerou o ajustamento do mercado cambial como uma medida de grande alcance, que...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.