Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

EUA e Coreia do Sul iniciam grande exercício aéreo conjunto

Estados Unidos e Coreia do Sul iniciaram nesta segunda-feira um grande exercício aéreo conjunto, uma operação que Pyongyang chamou de “provocação total”, poucos dias depois do lançamento de um potente míssil norte-coreano.
O exercício de cinco dias, batizado de Vigilant Ace, envolve mais de 230 aviões, incluindo caças F-22 Raptor, e mobiliza dezenas de milhares de soldados.

Durante o fim de semana, o jornal estatal norte-coreano Rodong denunciou as manobras.
“É uma provocação aberta, em todos os níveis, contra a Coreia do Norte, que poderia resultar em uma guerra nuclear a qualquer momento”, afirmou a publicação em um editorial.

“Os belicistas americanos e sua marionete sul-coreana fariam bem em recordar que seu exercício militar dirigido contra a Coreia do Norte será tão estúpido como um ato que precipita sua autodestruição”, completou.
O ministério norte-coreano das Relações Exteriores acusou no sábado o governo de Donald Trump de “querer a guerra nuclear a qualquer preço” com esta simulação aérea.

O exercício anual começou cinco dias depois do teste norte-coreano de um míssil balístico intercontinental (ICBM), supostamente capaz de atingir o território dos Estados Unidos.
Em um momento de grande tensão, no domingo o influente senador republicano Lindsey Graham citou o fantasma de uma guerra preventiva.

“Se acontecer um teste nuclear subterrâneo, será necessário estar preparado para uma resposta muito séria dos Estados Unidos”, advertiu o congressista em uma entrevista ao canal CBS.

– As ameaças de Pyongyang –

As palavras de Graham foram um complemento às declarações de sábado do assessor de Segurança Nacional de Donald Trump, o general HR McMaster, que durante um fórum sobre defesa afirmou que a probabilidade de uma guerra com a Coreia do Norte “aumenta a cada dia”.

O isolado e empobrecido regime realizou seis testes nucleares desde 2006, o mais recente deles em setembro.
A Coreia do Norte lançou na quarta-feira passada um novo tipo de míssil Hwasong 15, com capacidade de transportar uma “ogiva pesada extragrande” e que pode atingir todo o território continental dos Estados Unidos. Segundo o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, com o teste o país alcançou o objetivo de tornar-se um Estado nuclear de pleno direito.

Os analistas consideraram que o mais recente teste mostra o avanço de Pyongyang na tecnologia militar, mas também destacaram que era muito provável que para o teste o país utilizou uma ogiva leve e que com uma ogiva nuclear mais pesada o míssil teria dificuldades para chegar mais longe.

Também demonstraram ceticismo a respeito da capacidade da Coreia do Norte de preservar a sobrevivência das ogivas em sua reentrada na atmosfera.

O programa militar, que rendeu muitas condenações internacionais a Pyongyang, avançou desde a chegada ao poder de Kim Jong-Un em 2011.

A eleição de Trump como presidente dos Estados Unidos aumentou a tensão e a ameaça de um conflito, mais de seis décadas depois da Guerra da Coreia (1950-53) que deixou a península em ruínas. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »