- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Angolanos gastaram oito mil milhões USD com cartões lá fora

Angolanos gastaram oito mil milhões USD com cartões lá fora

Em pouco menos de seis anos, Angola deixou sair em cartões de débito, pré-pago e cartões de crédito o equivalente a metade das actuais Reservas Internacionais Líquidas (RIL) que permitem a importação de bens e serviços para seis meses. No ano do início da crise, em 2014, houve um “boom” de valores gastos no estrangeiro.

Desde 2012 até Setembro deste ano saíram de Angola 8 mil milhões USD através de cartões de débito, cartões pré-pago e cartões de crédito emitidos pelos bancos comerciais que operam no País, de acordo com cálculos do Expansão a partir dos dados das estatísticas do sistema de pagamentos do Banco Nacional de Angola (BNA).

De acordo com as contas do Expansão, anualmente, em média, saíram do País 1.347 milhões USD por via dos referidos cartões. As estatísticas do BNA indicam ainda que o ano que marca o início da crise económica e financeira, 2014, foi aquele em que mais dinheiro saiu do País atráves destes cartões, nomeadamente 2.686 milhões USD. Nesse ano, gastou-se lá fora em média 223,9 milhões USD por mês.

Estes oito mil milhões USD são equivalentes a 52% dos 15,4 mil milhões USD das Reservas Internacionais Líquidas (RIL) nacional actualmente. Depois de 2015, o volume de dinheiro que saiu de Angola por via dos cartões começou a registar uma quebra expressiva, tendo, por exemplo, no ano de 2016 saído do País 563 milhões USD, que comparado com os 2.686 milhões USD de 2014, representa uma queda de 79% – ver tabela. Já de Janeiro a Setembro de 2017 sairam de Angola 481 milhões USD através destes cartões, o equivalente a uma média mensal de 53,4 milhões USD. Uma vez que a média de 2016 foi de 46,9 milhões USD, é expectável que até ao final do ano seja superado o volume de dinheiro que saiu do País em 2016, ano em que foram gastos 563 milhões USD. (Expansão)

- Publicidade -
- Publicidade -

Inapem e BODIVA juntam-se para ajudar empresas a obter financiamentos

A Bolsa de Divida e Valores de Angola (Bodiva) e o Instituto de Nacional de Pequenas e Medias Empresas (Inapem) celebraram um protocolo que...
- Publicidade -

Covid-19: Angolanos na África do Sul lançam “grito” de socorro

Centenas de cidadãos angolanos retidos na África do Sul por força da pandemia do coronavírus voltaram a lançar, nesta quinta-feira, um pedido para o...

Moçambique e África Sul reabrem fronteiras

O presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Agostinho Vuma, acredita que a reabertura das fronteiras entre Moçambique e África do Sul, prevista...

Criada Biblioteca Escolar na Orquestra Camunga

A iniciativa “Um Livro Uma criança Muitas Leituras” criou, na sexta feira, a Biblioteca Escolar da Orquestra Sinfónica Camunga, na Samba, Luanda, com a...

Notícias relacionadas

Inapem e BODIVA juntam-se para ajudar empresas a obter financiamentos

A Bolsa de Divida e Valores de Angola (Bodiva) e o Instituto de Nacional de Pequenas e Medias Empresas (Inapem) celebraram um protocolo que...

Covid-19: Angolanos na África do Sul lançam “grito” de socorro

Centenas de cidadãos angolanos retidos na África do Sul por força da pandemia do coronavírus voltaram a lançar, nesta quinta-feira, um pedido para o...

Moçambique e África Sul reabrem fronteiras

O presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Agostinho Vuma, acredita que a reabertura das fronteiras entre Moçambique e África do Sul, prevista...

Criada Biblioteca Escolar na Orquestra Camunga

A iniciativa “Um Livro Uma criança Muitas Leituras” criou, na sexta feira, a Biblioteca Escolar da Orquestra Sinfónica Camunga, na Samba, Luanda, com a...

Migrantes ilegais fogem de quartel em Tavira

Um grupo de 17 migrantes ilegais fugiu, durante a madrugada desta quinta-feira, do quartel do exército, em Tavira. Oito já foram capturados pelas autoridades, sendo...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.