Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Inflação obriga Executivo a mexer na taxa de juro um ano e meio depois

O Banco Nacional de Angola (BNA) informou hoje que decidiu aumentar para 18% a taxa de juro base angolana, como medida para tentar controlar a subida da inflação acumulada, depois de praticamente um ano e meio sem alterações.

A decisão consta da nota oficial sobre a reunião mensal do Comité de Política Monetária (CPM) do BNA, encontro que serve para avaliar os indicadores de crescimento económico e as contas fiscais e monetárias, neste caso de outubro.

A taxa de juro base estava fixa em 16% e o aumento definido agora é justificado, segundo o mesmo documento, com “os altos níveis de inflação acumulada”, o que levou o CPM a concluir pela “necessidade” de tomar “medidas de política monetária com o propósito de reverter o atual processo inflacionista”.

No mês de outubro, a taxa de inflação mensal, medida pelo Índice de Preços no Consumidor da província de Luanda, publicada pelo Instituto Nacional de Estatística, foi de 2,98%, contra os 2,58% do mês anterior e os 1,79% em outubro de 2016.

A inflação dos últimos doze meses, até outubro, situou-se assim em 28,96%, contra 27,46% no mês anterior e 40,04% no acumulado do período homólogo de 2016, recorda o BNA.

A taxa de juro, cujas variações podem servir para controlar a evolução da inflação, esteve fixada até julho de 2014 em 8,75%, após um corte, na altura, de meio ponto percentual.

Aumentou em 2015 para 9%, iniciando então um ciclo de subidas, com três aumentos só em 2016, o último dos quais em junho.

Na reunião de 30 de novembro do CPM – cujo teor das conclusões foi hoje divulgado – além de aumentar a taxa base de juro de 16% para 18% ao ano, até 22 de dezembro (próxima reavaliação), o BNA decidiu não mexer na taxa de juro de facilidade permanente de cedência de liquidez, fixada nos 20% ao ano, e de reduzir a 0% a taxa de facilidade permanente de absorção de liquidez, “passando a intervir com operações de mercado aberto para efeitos de regulação da liquidez”.

Devido à crise decorrente da quebra na cotação internacional do petróleo, Angola viu reduzir a receita fiscal para cerca de metade desde 2015, assim como a entrada de divisas no país, agravando o custo das importações e o acesso a produtos, inclusive alimentares, cujos preços dispararam. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »