Partidos opositores a Mário Vaz propõem soluções para crise política

Um coletivo de 15 partidos que contestam o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, divulgou uma carta aberta na qual apresentam ao chefe de Estado soluções para acabar com a crise política que afeta o país.

A carta aberta apresentada, em conferência de imprensa, exige a José Mário Vaz que demita o Governo de Umaro Sissoco Embaló por ser “ilegítimo, inconstitucional e ilegal”.

Para os subscritores do documento de nove páginas, o Governo de Sissoco Embaló, por não ter mandato e legitimidade, não pode continuar a governar o país e “muito menos” organizar as próximas eleições legislativas previstas para 2018.

O grupo, que se assume como coletivo de partidos políticos democráticos, quer que José Mário Vaz nomeie o dirigente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Augusto Olivais, primeiro-ministro, como, dizem, prevê o Acordo de Conacri.

Com a aplicação daquele instrumento patrocinado pela comunidade oeste africana, o coletivo acredita que a crise política terminará na Guiné-Bissau e a normalidade institucional irá regressar até à realização das eleições.

Ainda na conferência de imprensa, em que estiveram presentes também militantes dos 15 partidos, o coletivo confirmou a realização, na quinta e na sexta-feira, de marchas, em Bissau, para, sublinharam, resgatar a democracia na Guiné-Bissau.

Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta das últimas eleições presidenciais e atual líder da Assembleia do Povo Unido, Partido Social Democrata (APU-PDGB) avisou que nenhum militante ou dirigente do coletivo será molestado “por quem quer que seja” durante as manifestações, que disse serem pacíficas. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »