Ler Agora:
Oposição acusa Governo de promover irregularidades nas eleições
Artigo completo 3 minutos de leitura

Oposição acusa Governo de promover irregularidades nas eleições

Os líderes dos dois partidos da oposição na Guiné Equatorial acusaram hoje o Governo e a junta eleitoral de terem promovido várias irregularidades e ameaçado diretamente os opositores.

“Somos ovelhas que o Presidente [Teodoro Obiang] quer levar ao matadouro. Tenho medo do dia de amanhã”, disse Gabriel Obono, líder do Cidadãos para a Inovação (CI), que foi visado hoje nas declarações públicas do presidente da República, teodoro Obiang.

O Presidente da Guiné Equatorial apresentou-se hoje como um “líder democrático”, instantes após ter votado nas eleições legislativas e autárquicas, e pediu a punição da “violência” praticada alegadamente pelos opositores do partido “Cidadãos para a Inovação”.

No comício de encerramento da campanha do Partido Democrático da Guiné Equatorial, a oposição foi acusada de fazer uma “política de agressão”, por contraponto ao partido no poder, que “sempre teve uma atitude serena e cultura democrática”.

“Estou à espera de ser preso e que nos matem a todos aqui no partido, porque aqui não há Estado de Direito”, acrescentou o dirigente da oposição, acusando Obiang de estar a tentar promover a passagem de poder para o seu filho.

Segundo Gabriel Obono, “90% dos representantes do partido CI foram impedidos de estar na mesa de voto” e foram “substituídos por amigos do regime que usdaram credenciais falsas”.

“A junta eleitoral deu-nos um mapa das mesas de voto errado, propositadamente errado para que os lugares fossem ocupados por outros”, disse Gabriel Obono, líder de um partido recém-legalizado e cujos militantes tiveram confrontos com forças policiais durante a campanha eleitoral.

Andrés Esono Ondo, um dos dirigentes da coligação Juntos Podemos, criticou a falta de independência da junta eleitoral, que “não informou onde estavam as mesas de voto”.

Na Guiné Equatorial é dado um boletim por cada partido aos eleitores, que depois colocam o escolhido num envelope que entregam na mesa de voto, colocando os outros no lixo.

“Os papéis do meu partido não foram colocados em muitas mesas de voto em Malabo e Vata [as duas principais cidades do país] e mesmo assim a votação continuou”, impedindo “os nossos apoiantes de votarem em nós”.

“Isto é outra vez uma fraude, os resultados são o que eles querem, mas desta vez fomos surpreendidos porque nem sequer colocaram os nossos papéis nas mesas de voto”, acrescentou. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »