Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Fome mata mais do que sida, tuberculose e malária juntas – PAM

A fome no mundo mata mais pessoas do que a sida, a tuberculose e a malária juntas, disse hoje na Web Summit o diretor da Inovação do Programa Alimentar Mundial (PAM), Robert Opp.

A fome “mata mais pessoas do que a sida, a tuberculose e a malária juntas”, afirmou Robert Opp durante a sua intervenção na cimeira, em Lisboa, onde apresentou cinco formas de utilizar a tecnologia para combater o problema da fome.

Um dos desafios do PAM é “usar a tecnologia para atacar um dos maiores, mais duradouros e um dos mais trágicos” problemas que a humanidade enfrenta, sublinhou o responsável.

Um dos desafios passa por utilizar ‘drones’ e inteligência artificial para avaliar a situação em que se encontra o local correspondente à crise humanitária de forma a poder atuar rápida e assertivamente.

Durante o seu discurso, Robert Opp apontou como objetivo a criação de uma plataforma ‘online’ que interliga produtores e consumidores, pois considera que em muitos países os mercados “não são eficientes”.

O diretor de Inovação do PAM acrescentou que serão desenvolvidas novas plataformas para que os cidadãos possam participar no programa e ajudar a combater a fome do mundo, uma vez que, considerou, os donativos “não são suficientes”.

Cerca de 815 milhões de pessoas no mundo “não têm comida suficiente” devido a catástrofes naturais, conflitos e pobreza extrema.

De acordo com Robert Opp, esse valor corresponde a uma em cada nove pessoas em todo o mundo.

A ONU já tinha divulgado, em setembro passado, um relatório publicado por três das suas agências, onde indicou que, após uma diminuição constante durante mais de dez anos, o número de pessoas a passar fome está a aumentar e atingiu o valor de 815 milhões em 2016.

No total, cerca de 155 milhões de crianças menores de cinco anos registam atrasos de crescimento devido à fome, segundo o relatório.

O Diretor de Inovação da PMA indicou ainda que o número de deslocados devido a guerras e conflitos é o maior desde a II Guerra Mundial.

“Sessenta a 65 milhões de pessoas deslocaram-se das suas casas devido a conflitos e quando são deslocadas perdem a sua vida e podem passar fome por não conseguirem comida”, explicou o Diretor de Inovação do PAM.

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, já tinha dado conta destes valores num relatório anual divulgado em junho passado por essa agência da ONU.

O número de pessoas forçadas a abandonar as suas casas devido à guerra, violência ou perseguição atingiu um valor recorde em 2016, com 65,6 milhões, um aumento face aos 65,3 milhões registados em 2015, de acordo com o relatório.

Robert Opp clarificou ainda que, muitas vezes, “não é apenas uma questão de quantidade [de comida] mas também da qualidade” dos produtos a que as pessoas têm acesso, o que pode deixar sequelas para o resto da vida.

A Web Summit decorre até quinta-feira, no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Segundo a organização, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, duas mil ‘startups’, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »