Radio Calema
InicioEconomiaBielorrossos pretende construir escola de estágio na ZEE

Bielorrossos pretende construir escola de estágio na ZEE

A Zona Económica Especial ZEE Luanda-Bengo poderá cotar nos próximos anos com instituições de ensino destinada a receber estudantes em fim de curso, para trabalharem como estagiários, anunciou nesta terça-feira, em Luanda, o ministro da Indústria da Bielorrússia, Vitaly Vovk.

A construção desta instituição de ensino voltada apenas para estágios do sector industrial dependerá de estudos a serem feitos pelos empresários da Bielorrússia.

A escola deverá ser construída num espaço fisicamente demarcado, dotado de Infra-estruturas viárias, fundiárias, económicas e administrativas com ambiente adequado ao exercício da actividade empresarial, vocacionada para o fomento da produção interna, do empreendedorismo, criação de emprego, competitividade e inovação.

Vitaly Vovk falava à imprensa, durante uma visita da delegação da Bielorrússia, que está em Luanda com o propósito de se inteirar das condições que o país possui, para instalação de uma linha de montagem de tractores, autocarros, camiões e alfaias agrícolas em Angola, no âmbito da cooperação entre Angola e Bielorrússia.

“As infra-estruturas estão todas criadas, vamos continuar a estabelecer as conversações com os parceiros angolanos para ver a possibilidade de instalar a nossa indústria aqui, porque da apresentação que nos foi feita, nós chegamos à conclusão que há necessidade de se construir instituições de ensino para formação de quadros para trabalharem nesta zona, então vamos fazer proposta neste sentido”, disse.

Já o secretário de Estado da Indústria, Ivan do Prado, que acompanhou a delegação, realçou que o ministro Vitaly Vovk visitou a zona pelo facto de ser a única que tem infra-estrutura deste género no país, “pelo que continuarão as negociações para instalar uma linha montagem de tractores e autocarros que irão começar as negociações entre as partes, em princípio em 2018 a construção das fábricas”.

Por seu turno, o presidente do Conselho de Administração (PCA) da Sociedade de Desenvolvimento da Zona Económica Especial Luanda-Bengo, António Lemos, disse ser oportuno a o interesse manifestado pelos empresários da Bielorrússia que deverão se juntar as mais de 60 unidades industriais construídas no local.

De acordo com o memo, todos os dias recebem propostas de entidades nacionais ou estrangeiras para se instalarem na ZEE “Algumas estão em funcionamento e outras a serem montadas que levam algum tempo, tendo em conta o cronograma de execução e com as condições do ambiente de negócios no país”.

Criada através do Decreto Nº 50/09 de 11 de Setembro, a Zona Económica Especial Luanda-Bengo compreende 6 Reservas Agrícolas, 7 Reservas Industriais e 8 Reservas Mineiras. Territorialmente a ZEE Luanda-Bengo está localizada nos municípios de Viana e Cacuaco, na província de Luanda e nos municípios de Icolo e Bengo, Dande e Nambuangongo na Província do Bengo.

As infra-estruturas da reserva industrial de Viana, consistem em estruturas de apoio à instalação e funcionamento de unidades industriais nomeadamente, arruamentos e passeios (92,5 Km), centro de reserva de água potável (2×1900 m3), rede de distribuição de água potável (20,8 Km), subestação eléctrica 1 (96 Mva), subestação eléctrica 2 (80 Mva) rede de distribuição de electricidade (27,6 Km), rede de telecomunicações (100 Km), rede de esgoto (21 Km), rede de combate à incêndios (41 Hidrantes), rede de águas pluviais (57 Km), estação de tratamento de águas residuais (252 l/s), sistema de tratamento de resíduos sólidos, centros de armazenagens de logística, porto seco, parques de estacionamento, edifícios administrativos e espaços verdes.

O objectivo é fazer com que a ZEE produza, sem gerar carga poluidora no âmbito das normas das práticas ambientais.
(Angop)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.