Radio Calema
InicioMundo LusófonoPortugalMais de 200 mil utentes afetados pela greve dos técnicos de diagnóstico

Mais de 200 mil utentes afetados pela greve dos técnicos de diagnóstico

Mais de 200 mil utentes foram afetados pela greve dos técnicos de diagnóstico e terapêutica, que dura há 18 dias e hoje levou, mais uma vez, algumas dezenas de profissionais a protestarem frente a hospitais em Lisboa, Porto e Coimbra.

Luís Dupont, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, explicou à agência Lusa que os principais efeitos desta greve se sentem no adiamento de exames de rotina, mas também nas consultas externas.

Também a cirurgia programada, assim como as efetuadas no âmbito da recuperação das listas de espera, está a ser afetada por esta paralisação por tempo indeterminado.

Segundo Luís Dupont, o protesto vai continuar até existir pelo menos uma calendarização do processo negocial firmado entre o Ministério da Saúde e os representantes sindicais.

O dirigente sindical lembrou que o ministro da Saúde, ouvido há uma semana no parlamento sobre o Orçamento de Estado, disse aos deputados que iria em breve apresentar uma proposta aos sindicatos, o que ainda não aconteceu.

Luís Dupondt acrescentou que na semana passada existiram contactos informais entre os sindicatos e a tutela, sem que tivesse resultado a apresentação de qualquer protocolo com vista ao início das negociações.

Frente ao hospital Santa Maria, em Lisboa, estão hoje de manhã concentradas várias dezenas de técnicos de diagnóstico e terapêutica, com alguns dos profissionais a exibirem cartazes a reclamar “Justiça e Equidade”.

Os sindicatos do setor pretendem o cumprimento dos acordos assinados, a apresentação concreta de proposta de deem expressão prática às novas carreiras e lutam contra o bloqueio das negociações.

Segundo os sindicatos do setor, tinha sido acordado com o Governo uma quota de 30% de lugares de topo de carreira para estes profissionais. Contudo, em Conselho de Ministros, essa quota foi diminuída para 15%, uma situação que indigna os trabalhadores.

Os profissionais exigem “a reposição do acordo firmado e violado pelo Governo em Conselho de Ministros, reduzindo a quota dos técnicos de diagnóstico e terapêutica do topo da carreira em 50%, impedindo a progressão normal dos profissionais das categorias inferiores”. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.